Depoimento não confirma acusação contra Jader

A coletora da Secretaria da Fazenda de Paraíso do Tocantins, Eliana Pereira, não confirmou, em seu depoimento na Polícia Federal, o que havia dito no início da semana - que o empresário Romildo Onofre Soares havia revelado que 10% do dinheiro liberado para projetos pela Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia (Sudam) ia para o presidente do Senado, Jader Barbalho (PMDB-PA). Romildo é aliado político do senador em Altamira, e um dos implicados no desvio de recursos para financiamentos de projetos. A PF pretende oferecer benefícios penais para o empresário, caso ele queira denunciar todo o esquema de fraudes na autarquia.No início da semana, em entrevista coletiva gravada, Eliana Pereira afirmou que Romildo havia comentado com pelo menos três empresários de Paraíso do Tocantins que tinha facilidades em conseguir dinheiro da Sudam. Mas, para isso, tinha que dar um porcentual para Barbalho. Na PF, ela disse apenas que Romildo lhe havia dito que tinha gasto R$ 600 mil com projetos, deputados e funcionários da Sudam. Eliana prestou depoimento na Secretaria de Fazenda, ao lado de um procurador do Estado. Ela está proibida de dar entrevistas, ou só fala na presença de um funcionário da Secretaria de Comunicação do governo. "Ela está acuada e sentindo-se ameaçada", disse uma fonte da PF, ressaltando que, em seu depoimento, Eliana se mostrou tranqüila e firme em suas respostas. Jader Barbalho prometeu interpelar a coletora para que confirmasse suas declarações sobre o pagamento de caixinha na Sudam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.