Depoimento de Waldomiro poderá não acrescentar nada

Investigadores que trabalham na apuração do suposto envolvimento de Waldomiro Diniz, ex-subsecretário de Assuntos Parlamentares do Palácio do Planalto, já falam que ele não revelará fatos novos nos depoimentos que irá prestar na próxima semana. Procuradores admitem até que Diniz invocará o direito de ficar calado e só falar em juízo. Além disso, caso resolva dizer algo, não irá comprometer a imagem do governo e muito menos citará o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu. Waldomiro irá depor no Ministério Público Federal na terça-feira, dia 2, e no dia seguinte deporá na Polícia Federal.Desde que apareceram as denúncias, há duas semanas, Waldomiro Diniz desapareceu. No seu apartamento, na Super Quadra Sul 202, ele não é visto há algum tempo. Os contatos com as autoridades estão sendo feitas somente pelo advogado. Na semana passada, Waldomiro estava disposto a prestar depoimento o mais rápido possível. Tanto que seu advogado passou vários dias em contato com o delegado Antônio César Nunes tentando marcar o interrogatório na Polícia Federal. A estratégia, segundo investigadores, era mostrar à PF que estava à disposição a qualquer momento, uma tática também para evitar que um pedido de prisão preventiva pudesse ser decretado contra ele.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.