Depoimento de Nicéa será usado contra Maluf na Suíça

O Ministério Público de São Paulo juntou cópia de depoimento de Nicéa Teixeira de Camargo - ex-mulher do ex-prefeito Celso Pitta - para responder a uma das indagações formuladas pelo governo da Suíça nas investigações sobre suposta existência de contas no exterior em nome do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB). Ao fazer um relato sobre a "origem do enriquecimento ilícito" do pepebista, o promotor de Justiça da Cidadania Silvio Antonio Marques anotou que Nicéa foi ouvida no Ministério Público em 11 de dezembro. Ela afirmou que "havia um esquema de desvio de dinheiro público do município de São Paulo comandado por Maluf, entre os anos de 1993 e 1996".O depoimento de Nicéa foi traduzido para o francês e encaminhado hoje ao Ministério da Justiça que, por via diplomática, o remeterá a Berna e a Genebra, onde Maluf teria mantido depósitos no Citibank Switzerland entre 1985 e 1997, em nome de Blue Diamond Ltd, sediada nas Ilhas Cayman.Para a promotoria, o relato de Nicéa satisfaz uma das três exigências da Suíça para acolher carta rogatória da Justiça de São Paulo com pedido de apreensão de papéis bancários que podem comprovar movimentação financeira em favor de Maluf.As autoridades suíças devolveram a rogatória indagando sobre a "origem do enriquecimento", a "dupla incriminação dos réus" e "informações sobre as características, datas e ´modus operandi´ das principais infrações praticadas pelos acusados". Também seriam beneficiários a mulher de Maluf, quatro filhos e uma nora.Nicéa afirmou ao Ministério Público que "as grandes empresas que foram contratadas pela prefeitura para prestarem serviços de construção civil, subcontratavam pequenas empreiteiras e estas cobravam preços bem acima dos praticados no mercado; as pequenas empresas, por sua vez, devolviam a quantia relativa à corrupção a Maluf".O ex-prefeito afirma não possuir recursos no exterior. Sua assessoria acusa o Ministério Público de "perseguição política" porque Maluf ocupa o primeiro lugar em pesquisas de intenção de votos para as eleições ao governo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.