Depoimento de Murad pode ficar para maio

O depoimento de Jorge Murad, marido de Roseana Sarney, à Polícia Federal, no inquérito que apura fraude contra a Sudam no projeto Usimar, pode ficar para a primeira semana de maio.Havia expectativa de que ocorresse nesta sexta-feira, mas o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro garantiu que não será nesta semana.Murad, que é secretário-extraordinário de Ciência e Tecnologia do Estado, tem foro especial e pode escolher o dia e o local do depoimento. Castro informou que o secretário havia marcado o dia 25 de abril, à tarde, para falar à Polícia.Mas nesse dia o delegado, Deuselino Valadares, estará no Mato Grosso, onde deve ouvir no mesmo inquérito, às 10h, o ex-governador Dante de Oliveira (PSDB).Uma nova data deve ser marcada para a semana seguinte. Murad foi nomeado secretário no dia 05 de abril com base em uma lei, aprovada em 1998, que cria seis cargos de secretários-extraordinários sem pasta, cujas funções serão determinadas no ato da nomeação.Murad recebeu a função de acompanhar a instalação dos 18 Centros de Capacitação Tecnológica - estruturas de ensino médio profissional espalhadas pelo Estado - que foram criados por ele na Gerência de Planejamento. Oito deles já foram inaugurados.Secretário desde o dia 05, Jorge Murad não tem ido ao Palácio Henrique de La Rocque, sede do governo, onde deveria despachar. O gerente de Planejamento e Gestão, Luciano Moreira, afirmou, nesta quinta-feira, que Murad não tem gabinete, porque o andar do prédio que será ocupado pelos secretários-extraordinários e gestores de programa ainda está em reforma.Moreira garantiu que ele está trabalhando no acompanhamento do projeto, mesmo sem estar no gabinete. O salário mensal dos secretários e gerentes no Maranhão é de R$ 7.300,00.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.