Ed Ferreira|Estadão
Ed Ferreira|Estadão

Depoimento de lobista pode influenciar em parecer final de relator da Comissão de Ética

Fala de Fernando Baiano aumenta probabilidade de que acusações de recebimento de vantagem indevida e crime de lavagem de dinheiro sejam incluídas no relatório de Marcos Rogério

Julia Lindner e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

26 de abril de 2016 | 21h05

BRASÍLIA - O depoimento do lobista Fernando Soares, o Fernando Baiano, nesta terça-feira, 26, ao Conselho de Ética da Câmara em processo por quebra de decoro parlamentar contra o presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) poderá ser motivo de discórdia no futuro entre os integrantes do colegiado. Apesar de não ter trazido grandes novidades aos fatos já revelados pela Operação Lava Jato, a oitiva de Baiano pode levar o relator Marcos Rogério (DEM-RO) a incluir em seu parecer final a acusação de recebimento de vantagem indevida e crime de lavagem de dinheiro. Rogério concluiu que a oitiva de Baiano foi relevante, mas é só uma "parte do quebra-cabeça" do processo por quebra de decoro parlamentar.

Formalmente, Cunha é acusado de ter mentido à CPI da Petrobrás no ano passado, quando negou que tivesse contas secretas no exterior. "Há conexão entre os fatos. Essa fase é de coletas de provas e o relator não escolhe provas", explicou Rogério. Ele disse que pode incluir documentos e novas provas até o último dia de instrução do colegiado, dia 19 de maio.

O presidente do conselho, José Carlos Araújo (PR-BA), reafirmou que novas evidências podem ser consideradas e que não cabe à Mesa Diretora da Câmara interferir no processo. Na semana passada, o vice-presidente da Casa, deputado Waldir Maranhão (PP-AM), estabeleceu que as investigações devessem se limitar apenas ao escopo da denúncia.

Para o deputado Carlos Marun (PMDB-MS), aliado de Cunha, a oitiva do lobista foi "desnecessária e não acrescentou nada". A "tropa de choque" de Cunha tenta negociar uma punição mais branda ao peemedebista e se esforça para que a investigação se atenha apenas à existência ou não de contas na Suíça. Marun acredita que a oitiva de Baiano serviria apenas para compor novo processo. "Esse depoimento até poderia ser importante em outro momento, mais para frente, para a Justiça com certeza é relevante, mas não aqui."

O líder da Rede, Alessandro Molon, disse que os atos denunciados por Baiano estão contemplados na representação do seu partido e do PSOL contra Cunha, que aponta recebimento de vantagens indevidas. Para Molon, o depoimento de Baiano comprova a acusação de quebra de decoro. "A representação cobre essas duas questões (mentir à CPI e receber propina). E se surgisse outra questão seria acrescentada também, quem sabe até em outro processo, mas como poderíamos simplesmente ignorar uma denúncia no Conselho?", questionou.

A última oitiva da acusação, aconteceria nesta quarta-feira, 27, com o depoimento de João Augusto Henriques, ex-dirigente da BR Distribuidora, preso pela Operação Lava Jato em Curitiba. Henriques, contudo, comunicou nesta terça que não tem interesse em colaborar. Para Marcos Rogério, ele era a principal testemunha, pois em seu acordo de delação premiada faz referência a depósitos direitos na conta de Cunha. O relator disse já possuir essas informações suficientes através dos documentos enviados pelo Supremo Tribunal Federal (STF)

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.