Depoimento de dono da Planam à CPI será reservado

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Sanguessugas ouvirá terça-feira, 1, reservadamente, o empresário Luiz Antônio Vedoin. O depoimento está marcado para a sede da Polícia Federal (PF), em Brasília. "Um grupo de parlamentares quer ouvir Luiz Antônio Trevisan Vedoin para tirar dúvidas que ficaram a respeito da série de depoimentos que ele prestou ao juiz Jeferson Schneider", disse o deputado Fernando Gabeira (PV-RJ), um dos integrantes da CPI.A comissão parlamentar tem as cópias dos depoimentos que Vedoin prestou a Schneider durante nove dias. São revelações tidas como muito importantes porque o empresário deu detalhes da suposta fraude na licitação de ambulâncias e material hospitalar com o dinheiro do Orçamento da União, afirmou que a ação da quadrilha havia avançado sobre o Ministério da Ciência e Tecnologia e que, no passado, o grupo atuara também no Ministério da Educação.Também foi Vedoin que revelou à Justiça Federal, em Cuiabá, os nomes de 33 parlamentares envolvidos no esquema de fraudes que ainda não respondiam ao processo aberto contra eles no Supremo Tribunal Federal (STF). Com a revelação dos novos 33 nomes, a lista de investigados subiu para 90. Vedoin é filho e sócio de Darci Vedoin, o fundador da Planam. No depoimento ao juiz, Luiz Vedoin afirmou que foi o deputado Lino Rossi (PP-MT) que apresentou a ele diversos dos deputados que mais tarde viriam a fazer parte do esquema de corrupção, entre eles, Nilton Capixaba (PTB-RO), João Caldas (PL-AL), João Grandão (PT-MS), Paulo Baltazar (PSB-RJ), Pastor Amarildo (PL-TO) e Carlos Rodrigues (PL-RJ). O empresário disse ainda à Justiça que pagou propinas aos próprios parlamentares ou aos assessores, totalizando 80 deputados e três senadores. A soma dos acertos chegou a R$ 12 milhões. Normalmente, a comissão paga ao parlamentar era de 10%. Muitos deles, de acordo com o depoimento do empresário, exigiam o dinheiro adiantado, confiando na emenda que fariam ao Orçamento. Quem recebeu a menor quantia, de acordo com Luiz Vedoin, foi o deputado Jonival Lucas Filho (PTB-BA), R$ 7,3 mil por uma emenda orçamentária de R$ 73 mil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.