Denúncias contra Palocci dominam debates no Senado

A nova denúncia contra o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, está dominando os debates desta terça-feira no plenário do Senado, com oposicionistas e governistas se revezando na tribuna.O caseiro Francenildo Santos Costa, conhecido como Nildo, contou ao Estado que a mansão no Lago Sul - alugada por Vladimir Poletto, ex-assessor da prefeitura de Ribeirão - era usada para partilha de dinheiro e que Palocci era freqüentador assíduo do imóvel, onde todos o chamavam de ?chefe?.O líder do PDT no Senado, Jefferson Peres (AM), disse que não é possível que as novas denúncias não tenham conseqüência, "a menos que o Brasil tenha chegado ao estado de frouxidão moral". Ele qualificou o depoimento do caseiro como "arrasador" em relação ao ministro. E lamentou que não vê o presidente da República fazer nada.A defesa ficou por conta do senador Tião Viana (PT-AC), que admitiu que a denúncia traz um constrangimento evidente ao ministro e repetiu, no plenário, os argumentos que já vem apresentando ao longo do dia. Os argumentos básicos são os dados pelo próprio Palocci, em telefonema a Tião e à líder do PT no Senado, Ideli Salvatti (SC): que nunca foi à casa do Lago Sul usada pelo grupo denominado "República de Ribeirão Preto" e que nunca dirigiu carro em Brasília. Argumentos que contradizem denúncias do caseiro Francenildo dos Santos Costa, publicadas na edição desta terça-feira pelo Estado. O próprio Tião argumenta que as novas denúncias fazem parte de uma manobra da oposição.Em nome do PFL, o líder José Agripino (RN) disse que a CPI dos Bingos deverá transformar-se, nos próximos dias, em palco para esclarecimentos das denúncias e que acredita que o próprio Palocci terá interesse em esclarecê-las. "Ele que precisará da CPI para esclarecer, o interesse será dele", afirmou.IroniaSegundo Agripino, também o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, terá interesse em prestar esclarecimentos. "Ou as denúncias são esclarecidas e ele prova que pagou do próprio bolso despesas do presidente, ou então o Brasil todo vai entender que o presidente tem suas contas pagas com dinheiro desonesto do valerioduto", afirmou o líder pefelista.Também participante dos debates, a senadora Heloísa Helena (PSOL-AL) declarou-se "impressionada" com a teoria da conspiração levantada por aliados e amigos de Palocci. Em tom de ironia, ela disse que "tem gente demais conspirando em todo lugar contra o ministro: o motorista, o caseiro, o cozinheiro, a promotora de eventos, as meninas usadas nas orgias com dinheiro público roubado, o delegado, empresários...". Ela destacou, no entanto, que ainda torce para que alguém prove o contrário e apresente fatos que desqualifiquem as denúncias."Palocci sempre foi isso: o representante da direita do PT, que sempre defendeu teses liberais e sempre foi incapaz de um gesto de indelicadeza". arrematou Heloísa Helena.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.