Denúncias contra Jader podem ajudar petista

A situação do líder do bloco de oposição no Senado, JoséEduardo Dutra (PT-SE), melhora a medida que o presidente do Senado,Jader Barbalho (PMDB-PA), se enfraquece por causa das novas acusaçõesde irregularidades relacionadas a um golpe de US$ 4 milhões na venda deTítulos da Dívida Agrária (TDAs). Até o comando do PFL recuou e admitiuque é pouco provável que o partido consiga reunir provas sobre asuposta participação de Dutra na violação do sistema secreto de votaçãoeletrônica. Dirigentes do PFL consideram que a iniciativa do senador GeraldoAlthoff (PFL-SC), que estuda a possibilidade de enviar umarepresentação contra Dutra ao Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, éisolada e perdeu força diante da declaração do ex-senador AntonioCarlos Magalhães (PFL-BA). Para ACM, que teve de renunciar para não terseu mandato cassado sob acusação de envolvimento na fraude do paineleletrônico, Dutra não está envolvido no caso. "A prova que Geraldo Althoff procura teria de vir de Antonio CarlosMagalhães", disse um integrante da executiva do PFL. "Mas, depois deACM dar aquela declaração, a ação contra Dutra perdeu força",acrescentou. O petista ainda tem mais um motivo para comemorar: opresidente do Conselho, Ramez Tebet (PMDB-MS), que ficará no comandoda comissão até às véspera de assumir o Ministério da IntegraçãoNacional, deve indeferir o pedido de Dutra para que as investigaçõessobre as irregularidades no sistema de votação sejam reabertas.Além disso, já há consenso entre os integrantes do Conselho que há"entraves políticos" para o Senado instaurar um novo inquérito daviolação no painel, desta vez para apurar a ligação de Dutra noescândalo. A investigação envolvendo ACM e o ex-senador José RobertoArruda (sem partido-DF) foi arquivada por Jader Barbalho após arenúncia dos dois. A proposta de abrir um novo procedimento relativo aoepisódio foi sugerida como alternativa por Dutra depois de eleverificar que não há fundamento regimental para se desarquivar o caso. Hoje, Geraldo Althoff (PFL-SC) disse que sua assessoria jurídica,encarregada de reunir provas contra Dutra, não havia conseguido aindaidentificar "nada contra o petista". "Ainda não temos nada e se nãoexistir fatos contra ele, vamos desistir", admitiu. "Mas isso serádecidido na hora oportuna", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.