Denúncia faz Cid Gomes mudar cardápio do Palácio

Irritado com a repercussão da denuncia do deputado estadual Heitor Férrer (PDT) que gastou R$ 3,44 milhões anuais com a renovação do buffet, que fornece comida para o Palácio da Abolição (sede do Governo), o governador do Ceará, Cid Gomes (PSB) disse nesta segunda-feira, 19, em coletiva à imprensa, que vai tirar todas comidas exóticas do cardápio.

LAURIBERTO BRAGA, Agência Estado

19 de agosto de 2013 | 17h17

"Se querem fazer demagogia eu também vou fazer. Vou tirar do cardápio todas as comidas francesas, inglesas, russas e deixar somente as comidas brasileiras. Arroz, feijão, carne, frango, peixe e uma entrada. Tudo que for com nome em francês, inglês e russo, vai sair. Vai ficar só coisa com nome em português", afirmou Gomes.

O governador acusou que "o deputado foi demagogo ao tirar uma exceção pela regra, quando citou que o cardápio tem canapés, caviar e lagosta".

A denuncia de Heitor Férrer está sendo chamada de "farra do caviar". Está sendo organizada via redes sociais para o próximo sábado, 24, uma manifestação em frente ao Palácio da Abolição batizada de "Cadê meu Caviar. Buchada no Palácio".

O buffet, segundo Cid Gomes é usado quando o Estado recebe uma visita importante, como da presidente Dilma Rousseff, de ministros, de governadores, embaixadores e de representantes da Fifa. E que o valor de R$ 3,44 milhões é um orçamento e que não necessariamente é usado. O contrato tem validade até a Copa do Mundo de 2014.

No cardápio do buffet contratado estão entre outras iguarias escargot, lagosta e caviar. A Anira Serviços de Alimentos ganhou uma concorrência com outras 13 empresas. Ela já abastece o Governo do Ceará desde 2010.

Mais conteúdo sobre:
farra caviarCid Gomes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.