Denúncia contra Waldomiro não surpreende Doutor Rosinha

As denúncias contra o ex-assessor parlamentar da Casa Civil Waldomiro Diniz não causaram surpresa a uma parte do PT. O deputado Doutor Rosinha (PT-PR) disse que ele e seus colegas tinham indicativos de irregularidades cometidas pelo homem de confiança do ministro José Dirceu, mas não tornavam a denúncia pública porque a pessoa que acusava Diniz não queria aparecer e nem passava os documentos comprovando as acusações. "Eu não levei susto (sobre a denúncia) porque já sabia que tinha coisa por detrás do Waldomiro", informou. Em troca do arquivamento da CPI, petistas como Doutor Rosinha vão exigir do Planalto uma ação dura do governo contra os bicheiros.Para o senador Eduardo Suplicy (SP), o ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, deve comparecer à Comissão de Fiscalização e Controle do Senado (CFC) para responder a perguntas dos parlamentares sobre sua ligação com o Waldomiro. "Minha recomendação é que ele se coloque à disposição dos senadores, com seu jeito firme e direto, para esclarecer dúvidas sobre seu relacionamento com Waldomiro Diniz no período em que ele foi um homem de sua confiança", disse o senador.A decisão da bancada petista no Senado, contrária à CPI, será tomada na reunião marcada para amanhã e deve ser endossada pelos deputados. Venceu a tese do presidente do partido, José Genoino, e dos líderes petistas, de que o fato ocorreu antes do governo Lula e que já está sendo investigado. Suplicy, Cristovam Buarque (PT-DF) e Tião Viana (PT-AC) são favoráveis à investigação, mas vão seguir a posição da bancada. Se for uma posição fechada, como ocorreu na votação das reformas, o parlamentar fica obrigado a apoiá-la, sob pena de sofrer um processo de expulsão.Para a deputada Maria do Rosário (PT-RS), será difícil para o PT fazer oposição à uma investigação. "O que eu não sei é se deve ser necessariamente por uma CPI", alegou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.