Denúncia contra PT é "ridícula e absurda", diz João Paulo

O presidente da Câmara, João Paulo Cunha (PT-SP), classificou de "ridícula e absurda" a denúncia publicada na revista "Veja", segundo a qual o PT teria oferecido ajuda financeira ao PSDC para selar uma aliança com o partido na disputa pela prefeitura de Osasco.A negociação, segundo relato do presidente do PSDC, José Maria Eymael, teria iniciado com um telefonema de João Paulo. "Isso não tem pé nem cabeça", reagiu o deputado, anunciando também que processará a revista e os jornalistas que assinam a matéria.Na reportagem, a revista cita uma suposta fita gravada em uma reunião de dirigentes do PSDC, em 10 de junho, quando Eymael teria informado sobre a negociação e falado do telefonema de João Paulo.O deputado disse neste domingo ter encontrado Eymael na Câmara que, inclusive, lhe pedira uma conversa. A audiência aconteceu no dia seguinte, em 15 de junho, no gabinete da presidência. Curiosamente, cinco dias depois da suposta reunião entre os dirigentes do PSDC. "Está lá registrada a data da audiência", comentou.João Paulo disse também que a reportagem não tem fundamento quando diz que o PT queria impedir que Délbio Teruel, do PSDC, fizesse um acordo com o PSDB na eleição para a prefeitura de Osasco. O atual prefeito Celso Giglio, do PSDB, que disputa a releição, tem como candidato a vice o próprio Teruel.O presidente da Câmara está em Osasco reforçando a campanha do candidato do PT, Emídio de Souza. Ele está otimista e acredita na possibilidade de o petista desbancar os tucanos no município. "Osasco é o maior município administrado pelo PSDB", disse João Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.