Dengue se espalha em São Paulo

Os casos de dengue autóctone em São Paulo começam a se espalhar. Até agora, os casos de transmissão na cidade estavam concentrados na região norte. Havia apenas uma exceção, no bairro do Pari, considerado zona central. Hoje, com o mais recente balanço da doença na cidade, uma nova tendência começa a ser detectada. Dois novos casos foram confirmados: um na região do Cursino, sudoeste da cidade, e outro em Jaguara, zona noroeste.O secretário municipal de Saúde, Eduardo Jorge, disse que já era esperado o registro de casos na zona sul, pela proximidade com rodovias que levam à Baixada Santista, onde a doença alcança índices bastante elevados. "Até agora, os casos vinham da zona norte, onde há um dos maiores centros de transportadores. Mas a contaminação na zona sul não surpreende."O número de casos de dengue autóctone subiu de 14 para 16, em cinco dias. No período, o aumento do número total de casos confirmados foi de 11%: de 604 para 673. "A cidade sofre uma pressão epidemiológica muito grande", disse o secretário. "Ainda é muito cedo para comemorar o número reduzido de casos autóctones da doença", diz. Segundo ele, há ainda um período crítico, entre os meses de abril e maio.Jorge ressaltou a necessidade de se intensificar o trabalho para eliminação de criadouros do mosquito Aedes aegypti, transmissor do vírus da dengue. "Temos de pensar não só até abril, mas fazer a preparação para o próximo ano. Não há nada que indique que 2003 será melhor."A secretaria de Saúde pretende realizar mensalmente um Dia D, para conscientização popular e eliminação dos criadouros. O próximo, marcado para dia 23, será coordenado pela Faculdade de Saúde Pública de São Paulo e terá a participação de cidades de toda a região metropolitana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.