Dengue pode ter matado mais 16 pessoas no Rio

Mais 16 pessoas podem ter morrido de dengue no Estado do Rio de Janeiro. As mortes estão sendo investigadas pela Secretaria Estadual de Saúde e, se forem confirmadas, o número total de vítimas fatais causadas pela doença pode subir para 27 desde o início do ano.A informação é de Yolanda Bravin, superintendente de Saúde Coletiva da secretaria. Até agora, segundo os números oficiais, 11 pessoas morreram de dengue no Estado - 8 no município do Rio. Dos 16 novos óbitos suspeitos, 13 ocorreram na cidade, e os outros três em cidades da Região Metropolitana.Dia D contra a dengueNesta segunda-feira, o diretor do Laboratório Noel Nutels, Oscar Berro, iniciou uma campanha pela realização de um ?dia D? contra a dengue, "um dia em que todos se uniriam para acabar com a epidemia", segundo Berro. "Temos que mobilizar a população para tomar medidas contra a proliferação da doença", explicou. "Já conseguimos tirar um presidente com um impeachment. Podemos fazer o mesmo com o aedes aegypti (o transmissor do vírus da dengue).?O alerta de Berro se justifica. O último balanço da Secretaria Estadual da Saúde contabilizou mais de 25 mil casos da doença no Estado (8.520 na cidade do Rio). E esse número está abaixo do total real.Hospitais insuficientesA epidemia da dengue no Rio está congestionando hospitais e postos de saúde de todo o Estado. Apenas no último fim de semana foram recolhidas para análise em laboratório 2.500 amostras de sangue de pessoas com suspeita da doença. O aumento da procura na emergência não afeta apenas os hospitais públicos. Hospitais particulares estão sendo obrigados a mobilizar mais funcionários para atender o excedente.Este é o caso do Hospital Barra D´Or, um hospital privado da Barra da Tijuca, zona sul do Rio. Em vez da tradicional média de atendimento de cerca de 6 mil pacientes por mês, em janeiro o hospital recebeu 7,5 mil pessoas, a maioria com sintomas da dengue. Por causa disso, o hospital abriu uma nova ala apenas para o atendimento da doença. O hospital também foi obrigado a aumentar o número de profissionais de saúde nessa ala, reforçando o corpo médico com 25 profissionais.Alerta contra excesso de TylenolOs médicos estão alertando sobre os riscos do uso indevido de paracetamol (nome genérico do Tylenol). A ingestão de uma dose muito grande pode provocar intoxicação e até levar à morte. Mas o remédio ainda continua sendo o melhor tratamento para reduzir a dor e baixar a febre, afirma Paulo Feijó, professor-adjunto de infectologia da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro.A morte causada por uma dose excessiva de paracetamol, afirma o médico, é muito improvável. "Seria preciso que o paciente tomasse dezenas de comprimidos para morrer por causa disso. É claro que devemos alertar sobre o risco, mas não deve haver pânico desnecessário porque esse remédio ainda é a melhor terapia para dengue."A grande maioria das mortes por dengue ocorre quando a vítima desenvolve a forma mais perigosa da doença, a hemorrágica. Neste caso, a dengue provoca hemorragias internas e perda de sangue das veias que podem levar à falência de órgãos vitais, como coração, pulmões e outros. "Não existe mistério nem novidade em relação à dengue, e o que temos que fazer é tratar da maneira correta e evitar pânico", alerta Feijó.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.