Dengue cresceu 33% em SP em uma semana

O número de notificações de casos de dengue cresceu, em uma semana, 33% em São Paulo, segundo boletim da Secretaria de Estado da Saúde divulgado ontem. Há 10.782 casos notificados da doença em todo o Estado, sendo que 2.831 deles já estão confirmados. Na segunda-feira, dia 25, as notificações somavam 8.115. O número de municípios com transmissão de dengue subiu de 56 para 76 no mesmo período. Para que esses números não continuem aumentando em tal velocidade, o Exército vai ajudar no combate ao mosquito transmissor da dengue na capital paulista. O treinamento dos 200 homens do Exército que vão participar desse programa termina hoje. A partir de amanhã, em duplas e acompanhados de um agente de zoonoses da Prefeitura, os militares vão visitar casas, terrenos e empresas em busca de criadouros do inseto. E, desde ontem, o Disque-Dengue de São Paulo ampliou sua capacidade de atendimento. O serviço telefônico municipal passou a atender de segunda a domingo, das 7 horas às 21 horas. Criado para tirar dúvidas e receber denúncias, o Disque-Dengue atende pelo número 0800 7720988. Rio de JaneiroO diretor do Centro Nacional de Epidemiologia da Fundação Nacional de Saúde (Funasa), Jarbas Barbosa, disse ontem que ainda não há motivos para prever uma queda da epidemia de dengue no Rio - como fez o secretário estadual de Saúde, Gilson Cantarino, no último fim de semana. "Acho prematuro e perigoso achar que a batalha contra o mosquito está vencida. Qualquer período de chuva somado com calor pode fazer com que os números voltem a subir." Cantarino afirmou que o total de casos registrado em fevereiro comparado com o de janeiro já parece mostrar tendência de queda da dengue no Estado. Segundo o último balanço, divulgado na quarta-feira passada, houve 32.684 notificações da doença em janeiro e 19.279 em fevereiro. "Isso pode ser um indício, mas é informal porque o mês de fevereiro ainda não está fechado", disse Barbosa. Amanhã, o Estado divulga novo balanço. Mas, desde o último, apenas a cidade do Rio contabilizou um crescimento de mais de 2 mil novos casos da doença diariamente. Ontem, já eram 25.365 notificações na cidade desde o início do ano, 3.151 casos a mais do que na última sexta-feira e 4.793 a mais do que na quinta-feira. A dengue já matou 24 pessoas no Estado, a maioria no município (19). BioinseticidaPesquisadores da Universidade Estadual do Norte Fluminense (Uenf) vão começar a produzir um novo bioinseticida para atacar as larvas do mosquito Aedes aegypti, o transmissor da dengue. O estudo começou em dezembro passado e os pesquisadores esperam ter os primeiros resultados nos próximos dois anos. O produto, que poderá substituir os larvicidas químicos, será feito à base de uma bactéria conhecida como BTI. Essa bactéria produz uma toxina capaz de matar as larvas do mosquito, sem causar danos a outros insetos, pássaros, animais e seres humanos. Além da larva do Aedes aegypti, a BTI também é capaz de matar as larvas do Culex e do Anopheles, mosquitos transmissores da filariose e da malária, respectivamente. Segundo a professora de biotecnologia da Uenf, Marília Berbert de Molina, o Brasil ainda não tem nenhum bioinseticida disponível no mercado. "A maioria dos bioinseticidas importados custa US$ 25 por litro. Queremos oferecer uma alternativa mais barata e melhor."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.