Demóstenes Torres será relator do processo contra Serys Slhessarenko

O Conselho de Ética do Senado deve se reunir nesta terça para dar início aos processos disciplinares contra três senadores ameaçados de perder o mandato: Ney Suassuna (PMDB-PB), Serys Slhessarenko (PT-MT) e Magno Malta (PL-ES). O presidente do Conselho, senador João Alberto (PMDB-MA), convidou o vice-presidente do órgão, Demóstenes Torres (PFL-GO), para relatar o processo contra Serys.Demóstenes esperava que a escolha dos três relatores fosse feita durante a conversa que teve com João Alberto. O vice-presidente levou o nome de três colegas: o corregedor Romeu Tuma (PFL-SP), Jefferson Peres (PDT-AM) e Juvêncio da Fonseca (PSDB-MS) para ocuparem as relatorias. Todos eles foram rejeitados por João Alberto, que limitou-se a convidá-lo para relatar o processo contra Serys.Alberto procura por relatores aliados do governo para o caso dos dois outros senadores. Sua primeira opção para o processo contra Suassuna é o senador Sibá Machado (PT-AC). Sibá disse ter ouvido que seria chamado, mas negou que vá aceitá-la: "Eu defendo a tese que os petistas devem ficar fora disto porque sempre vai sobrar dúvidas".Para "cuidar" do processo contra Magno Malta, o presidente deve optar entre os senadores Luiz Otávio ou Ana Júlia, que responderia, respectivamente, à cúpula peemedebista e ao Planalto.Para parlamentares da oposição, a tática de João Alberto tem por finalidade assegurar o arquivamento dos processos contra Ney Suassuna (PMDB-PB) e Magno Malta (PT-ES). Desta forma, o presidente garantiria, ainda, a rejeição no Conselho de uma eventual acusação contra Serys, mesmo se ela vier a ser denunciada por Demóstenes.Esta matéria foi alterada às 20h15 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.