Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Demóstenes acusa Caiado de receber dinheiro de Cachoeira

Ex-senador cassado por envolvimento com contraventor fez duras acusações contra líder do DEM no Senado que o chamou de traidor

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

31 de março de 2015 | 15h47

Atualizado às 22h06

Brasília - O ex-senador cassado Demóstenes Torres acusou ontem o líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), de ter recebido doações do contraventor Carlinhos Cachoeira em suas campanhas para deputado federal. Em artigo publicado no jornal goiano Diário da Manhã, Demóstenes afirma que basta “seguir o dinheiro” para descobrir as “digitais do anjo caído”. 

“Ronaldo fazia sim, parte da rede de amigos de Carlos Cachoeira, era, inclusive, médico de seu filho. Mas não era só de amizade que se nutria Ronaldo Caiado, peguem as contas de seus gastos gráficos, aéreos e de pessoal, notadamente nas campanhas de 2002, 2006 e 2010, que qualquer um verá as impressões digitais do anjo caído. Siga o dinheiro”, escreve Demóstenes. 

No texto, o ex-senador afirma que decidiu publicar o artigo depois de ler uma nota veiculada na imprensa na qual Caiado diz que havia se decepcionado com ele e o considerava um traidor. Além de serem do mesmo Estado, Goiás, os dois dividiam a mesma legenda, o DEM, antes de Demóstenes ser cassado em 2012 após ser acusado de usar o mandato para favorecer Carlinhos Cachoeira. 

O ex-senador faz ainda outras acusações contra Caiado, como a de que o “esquema goiano” do qual faria parte foi usado para ajudar o colega de partido, Agripino Maia (RN), a se eleger senador em 2010, e de ter pedido ajuda a Cachoeira para que o delegado aposentado Eurípedes Barsanulfo, suposto operador de jogos ilegais, pudesse ampliar seus negócios. 



Ofensas. O texto também é cheio de ofensas de cunho pessoal. Em um dos trechos, Demóstenes afirma: “Você (Caiado) deveria ir pra Brasília em seu cavalo branco, estacioná-lo na chapelaria do Senado e subir à tribuna para fazer o que já faz: relinchar, relinchar”. 

Por fim, o ex-senador pede para o líder do DEM “deixá-lo em paz” e faz uma ameaça: “Toque sua vida, se fizer troça comigo novamente não o pouparei. Continue fingindo que é inocente e lembre-se que não está na sarjeta porque eu não tenho vocação para delator”. 

Em nota publicada em seu site, Caiado negou as acusações e chamou Demóstenes de “psicopata”. “O comportamento do ex-senador Demóstenes Torres é típico de um psicopata. Cassado pelos seus pares, em seus momentos de alucinação, por não suportar a sua derrocada política e moral, ele tenta lançar mentiras contra mim. Pela fama que tem de montar dossiês, de perseguir e ameaçar as pessoas, até como fonte de manutenção de seus gastos faraônicos, acha que esse expediente vai funcionar comigo. Nessa moita que Demóstenes está escondido, não tem nenhum leão, apenas ratos.” Na sequência, classifica-o de bandido: “Todos me aconselharam a não polemizar com um corrupto, mau-caráter, sem credibilidade, cheio de mágoas por ter sido flagrado num esquema que envergonhou Goiás e o Brasil. Mas minha formação é diferente. Sou preparado e acostumado a enfrentar bandidos. Até com mais determinação que o debate das teses políticas. Enfrentar o canalha Demóstenes será mais um capítulo de minha vida.”

Caiado diz ainda que nunca foi sustentado por Cachoeira e que nunca intermediou contatos para Agripino. “Em relação às minhas campanhas, que Demóstenes torne público onde Carlos Cachoeira teria participação. Os dados estão divulgados para quem quiser conferir. Ameaça, Demóstenes, é coisa de bandido. Torne público o que você diz ter contra mim.”

Tudo o que sabemos sobre:
Demostenes TorresCarlinhos Cachoeira

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.