Demissões na Infraero são para evitar CPI, dizem líderes

As lideranças da oposição receberam as exonerações feitas pelo Conselho de Administração na Infraero como uma forma de o governo "mostrar serviço" e tentar evitar a CPI do Apagão Aéreo. O objetivo da comissão é investigar a crise no setor. O líder do PSDB no Senado, Arthur Virgílio (AM), viu nas exonerações uma contradição do Planalto. "Não sei o que leva o governo a demitir esses diretores depois de negar que houvesse irregularidades na Infraero", afirmou. Usando um trocadilho popular, o líder tucano classificou as demissões como uma tentativa de evitar a CPI, que seria um mal maior: "Para mim, estão querendo entregar quatro ´bois´ para deixar passar uma ´boiada´".Para o senador Tião Viana, "se o governo agiu assim (fazendo as demissões) é porque tem motivos. Eu não ficaria surpreso se soubesse que amanhã o governo vai abrir um inquérito policial", afirmou Tião Viana, que também é vice-presidente do Senado.O líder do ex-PFL José Agripino (DEM-RN) avaliou as exonerações como uma resposta malsucedida de o governo responder à crise político-militar provocada pelos controladores na sexta-feira da semana retrasada, quando cruzaram os braços e não permitiram nenhuma decolagem em todo o País. "As demissões devem ser por causa do apagão da semana passada. Isso prova que ainda há muito a ser investigado na Infraero, e reforça a necessidade de abrirmos uma CPI para averiguar tudo o que ocorre naquele órgão".O deputado Onyx Lorenzoni (DEM-RS), líder dos Democratas (ex-PFL) na Câmara, disse que o governo está fazendo "uma faxina" prévia para evitar a CPI e repete a tática que vem usando em outros momentos de crise. "É o governo querendo começar a faxinar a Infraero para usar o argumento de que está agindo e a CPI é desnecessária. Se só a ameaça de CPI produziu esse feito, estou certo de que a comissão parlamentar de inquérito vai fazer um strip tease da má gestão do dinheiro público na Infraero. Essa é a velha fórmula do presidente Lula: demite os bagres e deixa os tubarões."O deputado Júlio Redecker (PSDB-RS), líder da minoria na Câmara, enxerga uma posição de "letargia" na ação do governo e considera inevitável a CPI. "É preciso investigar a avidez da Infraero por obras. As exonerações revelam a letargia do governo na pessoa do presidente Lula, que não tomou decisões no tempo certo. O problema da crise aérea é um só: incompetência gerencial do presidente Lula e de seu corpo de assessores na área. Nada disso enfraquece a CPI".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.