Divulgação
Divulgação

Demissão sinaliza que novas denúncias contra Henrique podem surgir, dizem aliados

Temer aceitou o pedido de demissão de Alves nesta quinta-feira, 16; estopim teria sido a nova citação feita pelo ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, que, em delação premiada, disse ter repassado R$ 1,55 milhão oriundos de propina ao ex-ministro

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

16 de junho de 2016 | 18h13

BRASÍLIA - Lideranças da base aliada do presidente em exercício Michel Temer na Câmara avaliaram, nos bastidores, que o pedido de demissão de Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) do comando do Ministério do Turismo pode ser uma sinalização de que novas denúncias contra o peemedebista podem surgir em breve.

Como antecipou a coluna Direto da Fonte e confirmou o Palácio do Planalto, Temer aceitou o pedido de demissão de Alves nesta quinta-feira, 16. A gota d'água teria sido a nova citação feita pelo ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado em delação premiada. Machado disse ter repassado a Alves R$ 1,55 milhão oriundos de propina.

Para deputados aliados, contudo, Henrique não pediu demissão apenas em razão da delação de Machado, uma vez que a citação ao ex-ministro feita pelo ex-presidente da Transpetro já tinha sido divulgada antes, embora sem os detalhes revelados na última quarta-feira, 15. "Deve ter coisa nova também", avaliou um influente líder partidário da Cãmara. 

De acordo com um parlamentar do PMDB que esteve com Temer nesta quinta-feira, 16, o presidente em exercício já esperava que Alves pediria demissão entre esta quinta-feira, 16, e sexta-feira, 17. "A sensação era de que ele já esperava e só estava aguardando a confirmação entre hoje e amanhã", disse esse parlamentar peemedebista.

Imagem. Parlamentares da base aliada avaliaram que a demissão ajudará a melhorar a imagem do governo Temer perante à sociedade. Isso porque Henrique Alves era um dos ministros que tinha mais acusações contra si no âmbito da Operação Lava Jato. Nesse contexto, sua permanência no cargo prejudicava a imagem do governo.

Nos bastidores, deputados aliados dizem que a permanência de Henrique Alves causava constrangimento ao governo, na medida em que contrariava discurso adotado por Temer e ministros do Palácio do Planalto de que qualquer integrante do governo deveria deixar o cargo caso surgissem novas denúncias contra ele. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.