DEM também fará nova representação contra Renan

O DEM também irá entrar amanhã com mais uma representação contra o presidente do Senado, Renan Calheiros (PSDB-AL). Junto com o PSDB, o partido quer que sejam apuradas as denúncias de que Renan tentou montar um dossiê, recorrendo a espionagem, para chantagear os senadores Demóstenes Torres (DEM-GO) e Marconi Perillo (PSDB-GO). Este será o quinto pedido de investigação envolvendo o peemedebista por quebra de decoro parlamentar. "Vamos dar direito de defesa a Renan, mas dificilmente os argumentos que ele vai apresentar serão suficientes", disse o líder dos Democratas, senador José Agripino Maia (RN). Ele havia dito antes que esperaria até amanhã para decidir pela representação, mas mudou de idéia no início da noite após conversar com Demóstenes e com o presidente nacional da legenda tucana, senador Tasso Jereissati (CE). "Se o que o Renan está negando e diz não ter nada a ver com isso, ele tem de mostrar e, no mínimo, demitir o funcionário (Francisco Escórcio)", afirmou Demóstenes. Renan é acusado de ter usado Escórcio, seu assessor especial, para espionar os dois senadores goianos. Os dois partidos também decidiram pedir uma reunião de urgência da Mesa Diretora da Casa, que é quem aceita ou rejeita os pedidos de investigação contra parlamentares. PSDB e DEM também vão solicitar a convocação imediata do Conselho de Ética. Laranjas Para amanhã é esperado o anúncio pelo presidente do Conselho de Ética, Leomar Quintanilha (PMDB-TO), do relator da terceira representação contra Renan, na qual ele é acusado de ter comprado duas rádios e um jornal utilizando "laranjas" em sociedade com o usineiro João Lyra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.