DEM quer ressarcimento de gasto com kit anti-homofobia

Material preparado pelo Ministério da Educação foi vetado por Dilma

Gustavo Uribe, da Agência Estado

26 de maio de 2011 | 14h30

O presidente nacional do DEM, senador José Agripino Maia (RN), disse nesta quinta-feira, 26, que seu partido irá ingressar com ações judiciais para que o governo federal devolva aos cofres públicos os gastos referentes à elaboração do kit anti-homofobia. O material, que estava sendo preparado pelo Ministério da Educação, foi suspenso pela presidente Dilma Rousseff, que o teria considerado inadequado.

A ordem de cancelar a cartilha, cujo conteúdo era criticado por parlamentares evangélicos, ocorre em um momento no qual o governo federal enfrenta uma ameaça de CPI no Congresso, por conta das denúncias sobre a evolução patrimonial do ministro-chefe da Casa Civil, Antonio Palocci.

"Nós vamos acionar (judicialmente) para que seja devolvido aos cofres públicos todo dinheiro gasto com material que a própria presidente mandou recolher por impropriedade", ressaltou o senador do DEM. "Ou seja, material imprestável". O presidente da sigla informou ainda que, neste momento, o partido apura quem é o responsável pela produção do material.

Agripino destacou também que o DEM não estabeleceu uma data para ingressar com as ações. "Quem é que vai pagar essa gastança irresponsável do Ministério da Educação? Quem faz oposição tem a obrigação de fiscalizar e fiscalizar é cobrar o dinheiro gasto impunemente", frisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.