DEM quer levar acusadores de Orlando Silva à Câmara

Partido vai pedir que policial militar João Dias Ferreira e motorista Célio Soares Pereira prestem esclarecimentos; ministro do Esporte deve ser ouvido nesta semana

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

17 de outubro de 2011 | 10h49

BRASÍLIA - O DEM vai apresentar nesta segunda-feira, 17, requerimento pedindo a presença na Câmara do policial militar João Dias Ferreira e do motorista Célio Soares Pereira. Eles acusaram, em entrevista à revista Veja, o ministro do Esporte, Orlando Silva, de ter recebido dinheiro de propina na garagem do ministério. Os recursos seriam desviados do programa Segundo Tempo, carro-chefe da pasta.

Orlando Silva deverá ser ouvido ainda nesta semana pelas comissões de Fiscalização Financeira e Controle e Turismo e Desporto, a pedido da base do governo. Para o líder do DEM, ACM Neto (BA), o caso não pode ser encerrado apenas com as declarações do ministro, que nega as acusações.

João Dias comanda uma associação de kung fu e preside a federação brasiliense da modalidade. Acusado de fraudes em convênios com o ministério do Esporte, ele chegou a ser preso no ano passado. Agora, acusa Orlando Silva de ser o mentor do esquema de desvio de recursos.

Segundo ele, haveria cobrança de 20% de propina nos convênios firmados no âmbito do Segundo Tempo. O motorista Célio Soares Pereira, funcionário de João Dias em uma academia, contou ter entregue uma caixa de papelão com notas de R$ 50 e R$ 100 na garagem do ministério.

Além dos depoimentos na Câmara, a oposição quer uma investigação do Ministério Público. O PPS vai protocolar uma representação na Procuradoria-Geral da República pedindo a investigação das denúncias. O ministro Orlando Silva também se adiantou e já pediu apuração da Polícia Federal.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.