DEM pede expulsão de prefeito que decidiu apoiar Dilma

O deputado estadual do DEM de São Paulo, Rodrigo Garcia, informou nesta quinta-feira, 8, que encaminhou à Executiva Estadual pedido de expulsão do partido do prefeito de Tanabi (SP), José Francisco de Mattos Neto. O político causou polêmica na noite de quarta-feira, 7, ao participar de jantar de apoio à candidata do PT à sucessão presidencial, Dilma Rousseff. Durante o evento, promovido em São José do Rio Preto, o prefeito admitiu ser favorável à candidatura da petista e teceu críticas ao PSDB, legenda aliada do DEM.

GUSTAVO URIBE, Agência Estado

08 Julho 2010 | 15h19

 

Correção: DEM pode expulsar prefeito por apoio a Dilma

 

Em nota, Garcia considerou "injustas" as declarações de Neto e ressaltou que elas não representam "o sentimento do partido e de seus filiados." O prefeito de Tanabi acusou a administração do PSDB em São Paulo de ter "sucateado os serviços públicos" e pediu votos para Dilma, segundo ele "a mais preparada para a Presidência". O deputado do DEM lamentou as declarações e disse ser testemunha dos investimentos do PSDB realizados na cidade de Tanabi.

 

Essa não é a primeira vez nessas eleições que o DEM enfrenta problemas com dissidências. Em junho, o vereador Carlos Apolinário foi afastado da liderança da bancada do partido na Câmara Municipal de São Paulo. O parlamentar criou saia-justa ao anunciar apoio à candidatura do senador Aloizio Mercadante (PT-SP) à sucessão no Palácio dos Bandeirantes. Em São Paulo, o DEM está fechado em torno do nome de Geraldo Alckmin (PSDB) ao cargo e indicou o vice na coligação, Guilherme Afif Domingos. Outro vereador do DEM, Milton Leite, também anunciou apoio a Mercadante.

 

Este texto foi corrigido às 19h15. Ao contrário do que foi publicado anteriormente, o autor do pedido de expulsão do prefeito de Tanabi é o deputado estadual Rodrigo Garcia, do DEM paulista, e não Rodrigo Maia, deputado federal do Rio. E o pedido foi encaminhado à Executiva Estadual, e não à Executiva Nacional do DEM.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.