DEM: mensagem de Dilma é 'sucessão de obviedades'

O presidente nacional do DEM, senador Agripino Maia (RN), classificou nesta segunda-feira, 3, a mensagem da presidente Dilma Rousseff de abertura do ano legislativo como uma "sucessão de obviedades". Na mensagem, Dilma afirmou que o Brasil mantém o compromisso de controlar a inflação, a estabilidade econômica e a criação de empregos.

RICARDO BRITO, Agência Estado

03 de fevereiro de 2014 | 21h45

"Eu acho que ela deveria ter ouvido na mensagem que apresentou a grande voz das ruas e ter acenado com contenção efetiva de despesas, de gastos públicos", criticou o presidente do DEM. Segundo Agripino, não houve nenhum fato novo apresentado pelo governo no sentido de melhorar o superávit primário, de diminuição do gasto público "de má qualidade" ou de contenção da inflação. "Isso, sim, é ouvir a voz das ruas", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
CongressoDilmaDEM

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.