DEM lança ACM Neto com mais 7 partidos

Como vice, deputado terá o bispo evangélico Márcio Marinho, do PR

Tiago Décimo, SALVADOR, O Estadao de S.Paulo

20 de junho de 2008 | 00h00

O DEM oficializou em convenção ontem à tarde a candidatura do deputado Antonio Carlos Magalhães Neto à Prefeitura de Salvador. O bispo evangélico Márcio Marinho, do PR, será o vice. Além de DEM e PR, integram a coligação PRB, PTN, PRP, PSDC, PT do B e PTC.Com ACM Neto na liderança das pesquisas, o otimismo dominou a convenção, que reuniu 600 pessoas. "Estamos convictos de que vamos fazer uma bela campanha e que vamos ter uma grande vitória", afirmou o ex-governador Paulo Souto, presidente do partido na Bahia."Neto vai trazer o novo a Salvador", disse o presidente nacional, deputado Rodrigo Maia (RJ). "Ele tem 28 anos e talvez seja o deputado mais talentoso da nova geração."A coligação é tida como a mais controversa em Salvador, pois o PRB e o PR são da base do governo Lula. O PRB, do vice-presidente José Alencar, tinha como pré-candidato o apresentador Raimundo Varela, que liderava as pesquisas. Até pouco antes de anunciar o apoio ao DEM, o partido negociava com o PSDB para ter Varela como vice na chapa do ex-prefeito Antonio Imbassahy. O PR tratava com o PT a possibilidade de entrar no secretariado estadual em troca de apoio a Walter Pinheiro.O apoio dos dois partidos ao DEM causou surpresa. Como resultado, o católico praticante ACM Neto vai ter o bispo Marinho como vice. Ele já confirmou presença em cultos da Igreja Universal para angariar votos.Ontem, o governador da Bahia, Jaques Wagner, reclamou da aliança. Em entrevista, disse que o apoio do PRB e do PR em Salvador é "um desaforo" ao presidente Lula.ACM Neto deixou claro já na convenção que sua campanha será focada no principal ponto fraco do governo Wagner, a segurança pública. "Salvador precisa de um prefeito com pulso firme. Meu lema vai ser menos gastos e mais resultados." Na convenção também foi anunciado que a coligação terá 300 candidatos a vereador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.