DEM formaliza desfiliação do deputado dono de castelo

Edmar Moreira renunciou ao cargo de 2º vice da Câmara após denúncias de não ter declarado propriedade ao IR

Luciana Nunes Leal, de O Estado de S.Paulo

12 de fevereiro de 2009 | 13h23

O DEM formalizou nesta quinta-feira, 12,  a desfiliação do deputado Edmar Moreira (MG), que na semana passada renunciou ao cargo de segundo-vice presidente e corregedor da Câmara, depois de ser envolvido em suspeitas de sonegação fiscal e de não ter declarado ao Imposto de Renda a propriedade de um castelo no valor de R$ 25 milhões, na zona da mata mineira. O pedido de desfiliação já tinha sido encaminhado pelo próprio Edmar Moreira ao Tribunal Superior Eleitoral, numa tentativa de preservar o mandado, pois o deputado alegou justa-causa, por ter sido perseguido pelo partido.   Veja também:  Novo Corregedor investigará dono de castelo? Castelo de Edmar seria um cassino  Deputado dono de castelo se rende a pressão e renuncia a cargos Perfil: Quem é Edmar Moreira, dono do castelo  Todas as notícias sobre o caso Edmar Moreira Veja quem são os membros da Mesa Diretora da Câmara  Fac-símile: 'Estado' publica matéria sobre o caso em 1993  A sucessão dos presidentes do Senado    Blog: acompanhe os principais momentos das eleições na Câmara e no Senado     O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ) disse que por enquanto aguardará a decisão do TSE de aceitar ou não os argumentos de justa-causa de Moreira. Se o TSE der razão a Edmar Moreira e entender que ele foi perseguido, o deputado continuará com mandato e poderá se filiar a outro partido. Mas se o TSE entender que o deputado não tem justificativa, o DEM poderá reivindicar a vaga, colocar um suplente no lugar, e Edmar perderá o mandato.

Mais conteúdo sobre:
Caso do casteloEdmar MoreiraDEM

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.