Estadão
Estadão

DEM E PP ganham mais uma vaga cada na comissão de impeachment

Presidente do Solidariedade, Paulinho da Força, diz que redivisão das vagas foi acertada após o STF manter o rito de impeachment

Daniel Carvalho, Igor Gadelha e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2016 | 20h49

O presidente do Solidariedade, deputado federal Paulinho da Força (SP), anunciou nesta quarta-feira, 16, que o DEM e o PP ganharam uma vaga titular a mais cada na comissão especial que analisará o processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara. Segundo o parlamentar, a redivisão das vagas foi acertada em reunião de líderes partidários após o Supremo Tribunal Federal (STF) manter, nesta quarta-feira, o rito do impeachment, que prevê que a comissão especial será eleita por voto aberto e que não serão aceitas chapas avulsas.

Paulinho explicou que a nova divisão das 65 vagas da comissão do impeachmenrt leva em conta as mudanças de partidos por deputados durante a janela para troca-troca partidário sem risco de cassação por infidelidade partidária. De acordo com o deputado, após as mudanças, dois partidos pequenos que ele não se recordava o nome deixaram de ter deputados na Casa, fazendo com que duas vagas sobrassem. Na redivisão, o DEM aumentou de dois para três o número de vagas titulares que terá direito na comissão. Já no PP, que integra a base aliada, o número de vagas subiu de quatro para cinco. 

Na reunião, ficou decidido ainda que os líderes partidários terão até 12 horas desta quinta-feira, 17, para indicar os membros a que seus partidos têm direito na comissão do impeachment. De acordo com Paulinho da Força, a eleição deverá ocorrer a partir de 12h30, se já houver quórum suficiente para abrir a sessão plenária. Concluída a eleição dos 65 membros, o parlamentar afirma que a expectativa é de que o colegiado já seja instalado por volta das 17 horas de quinta-feira, 17.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.