DEM diz que Lula é 'arrogante' e condena 'gastança imoral'

Partido rebate declaração do presidente, em entrevista, sobre oposição e relações com o imposto do cheque

ROSANA DE CASSIA, Agencia Estado

29 de novembro de 2007 | 14h58

O partido Democratas reagiu nesta quinta-feira, 29, às declarações do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que em entrevista na última quarta a emissoras de TV disse que o DEM vota contra a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) porque é um partido sem perspectiva de poder.  Na nota, a Comissão Executiva Nacional do DEM afirma que o presidente Lula "faz previsão sobre um futuro que não lhe pertence, desrespeita a oposição de forma arrogante e autoritária, além de confrontar a vontade da maioria da população brasileira que rejeita a CPMF e condena a gastança imoral do governo".      Veja também:  Entenda a cobrança da CPMF  Para evitar derrota da CPMF, governo monta 'sala de situação'Lula diz que a emenda da CPMF 'vai passar' no SenadoLula critica DEM e diz que 'povo pobre' sofrerá sem CPMFO partido considera a declaração do presidente um insulto agressivo e inadequado e acrescenta que "mais relevante que qualquer perspectiva de futuro para um líder e um partido político é representar as exigências e as necessidades da população e do País no tempo presente". No comunicado, o DEM afirma que a razão que leva a legenda a votar contra a prorrogação do tributo é a certeza de que "o imposto é nocivo ao bolso do povo brasileiro e prejudicial ao desenvolvimento da economia".Para o DEM a prorrogação da CPMF só interessa ao governo do presidente Lula para seguir gastando de forma "perdulária" e sem qualquer controle. O partido acrescenta que não é um presidente "que mente de forma cínica, que governa de costas para o País, que passa por cima dos compromissos assumidos, que não defende os valores éticos e que minou a confiança e a esperança das pessoas que vai definir o futuro do País ou o futuro do Democratas". Em entrevista, Lula  voltou a criticar a oposição do DEM e do PSDB à prorrogação da CPMF e disse acreditar que, se o tributo não for aprovado no Senado, o "povo pobre desse País" é quem mais vai sofrer com isso. Lula disse também que , na verdade, quem tem medo da CPMF é quem sonega imposto, eles são os que tem medo da CPMF. A CPMF é um imposto que vai detectar quem está sonegando".   "Quem que acabar? Quem quer acabar na verdade, além do PFL (atual Democratas), que torce todo santo dia para as coisas não darem certo neste país, porque eles governaram durante 500 anos e não conseguiram fazer o que país queria que fosse feito. Eles agora ficam com discurso de que é muito imposto", afirmou Lula.  O Democratas e o PSDB contabilizam votos de 32 senadores contra a prorrogação da CPMF, um a menos que o necessário para pôr fim à cobrança do imposto a partir de janeiro de 2008.

Tudo o que sabemos sobre:
CPMFDEMcríticaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.