DEM-DF se antecipa à Executiva e dissolve diretório regional

Em seu twitter, o deputado Ronaldo Caiado escreveu que o partido 'concluiu sua assepsia'

Rodrigo Alvares, do estadao.com.br,

24 de fevereiro de 2010 | 15h54

O Democratas (DEM) decidiu na tarde desta quarta-feira, 24, pela autodissolução do diretório do Distrito Federal. O presidente regional do partido, Osório Adriano, declarou que decidiu se antecipar à provável solução da Executiva Nacional. O senador Marco Maciel (PE) será o interventor. Também foi decidido que o secretário de Transportes do GDF, Alberto Fraga, deve deixar o governo do DF, assim como todos os filiados.  

 

Veja também:

lista Íntegra da carta de renúncia de Paulo Octávio

blog BOSCO: Intervenção federal não soa tão remota

especialEntenda a operação Caixa de Pandora

 

O pedido de dissolução foi antecipado pelo presidente em exercício do diretório, Osório Adriano, e aceito pela executiva nacional do partido. “Para que a Executiva Nacional busque uma solução foi que eu pedi a autodissolução antes que outros pedissem a intervenção. É uma solução menos traumática para todos do partido”, disse Adriano.

 

O partido deve ficar sob coordenação de Marco Marciel no DF por pouco mais de um mês, prevê Alberto Fraga. Durante esse período, os filiados do DEM no Distrito Federal podem usar o nome da legenda. O senador Marco Maciel (DEM-PE) vai comandar o processo de formação de um novo comando do partido no DF. Alguns dos dirigentes regionais poderão ser mantidos dentro da nova estrutura do diretório regional.

 

"Acredito que essa dissolução durará no máximo 30 a 40 dias - tempo no qual terá que ser composto um novo diretório regional. É muito melhor uma coisa nesse sentido que uma intervenção da forma como era a ideia inicial. Salva quem verdadeiramente não tem nenhum envolvimento com os escândalos e há condições de a gente reconstruir esse novo diretório regional", analisou.

 

O presidente nacional do DEM, deputado federal Rodrigo Maia (RJ), não fixou prazo que os filiados do partido deixem seus cargos. “Quem não seguir essa diretriz pode ser advertido, suspenso ou expulso. Todos aqueles que tiverem pretensão eleitoral deixarão o governo, com certeza. Os que não têm pretensão talvez pretendam continuar no governo e deixar o partido”, disse Maia.

 

Em seu twitter, o deputado Ronaldo Caiado (GO) escreveu que o partido "concluiu sua assepsia". "Agora é a vez do PT mostrar se quer combater a corrupção ou se vai continuar a cultivar corruptos em sua sala", acrescentou. O parlamentar gaúcho Onyx Lorenzoni seguiu a mesma linha: "Nossa ação mostra que o Democratas combate a corrupção de forma exemplar, resta saber se o PT faz o mesmo. Os brasileiros esperam que sim", escreveu.

 

Atualizado às 16h21, com informações da Agência Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.