DEM determina que filiados deixem cargos no governo Arruda

Instantes após o ministro do Superior Tribunal de Justiça (STJ) Fernando Gonçalves decretar na tarde desta quinta-feira, 11, a prisão preventiva do governador do Distrito Federal, José Roberto Arruda (sem partido), a executiva nacional do DEM determinou "aos seus filiados a imediata saída dos cargos que ocupam no governo".

estadao.com.br,

11 de fevereiro de 2010 | 17h40

 

Veja também:

linkSTJ determina prisão de José Arruda

especialEntenda a operação Caixa de Pandora

blog  JOÃO BOSCO: Arruda, novo teste para o STF

lista Leia tudo o que foi publicado sobre o mensalão no DF

documento Leia o inquérito da Operação Caixa de Pandora

video Testemunha do mensalão do DEM gravou tentativa de suborno

 

Arruda se desfiliou do partido no fim de 2009 após vir à tona a suspeita de que comandaria um esquema de arrecadação e distribuição de propinas no Governo do Distrito Federal (GDF). A decisão do ministro Gonçalves foi corroborada pelo pleno do Tribunal, e Arruda pode vir a ser preso ainda nesta quinta-feira.

 

De acordo com nota da executiva nacional do DEM, o pedido de saída do cargo foi determinada em decisão conjunta entre o partido e os líderes das bancadas na Câmara dos Deputados e no Senado Federal. "A eventual inobservância da determinação sujeitará o filiado às sanções disciplinares previstas no Estatuto do partido", afirma o texto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.