DEM desafia Mercadante a apontar 'falhas' do partido no Senado

Um dia após pedir o afastamento de Sarney, PT muda de estratégia e passa a colocar a crise no colo do DEM

Agência Brasil,

02 de julho de 2009 | 15h01

O líder do DEM no Senado, José Agripino Maia (RN), desafiou o líder do PT, Aloizio Mercadante (SP), a apontar alguma irregularidade administrativa praticada na Casa da qual o partido tenha participado. Nesta quinta-feira, 2, o petista reafirmou que o DEM tem "uma responsabilidade administrativa imensa" pela crise no Senado, uma vez que mantém a 1ª secretaria sob seu comando há pelo menos três legislaturas.

 

Veja também:

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

documento Leia a íntegra da defesa do presidente do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

No twitter, Mercadante joga para DEM culpa da crise no Senado

 

"Quero que o senador Mercadante aponte alguma irregularidade praticada pelo Democratas. Se ele está falando isso, tem a obrigação de apontar as falhas do DEM. Do contrário, o senador vai ficar no campo da leviandade", afirmou José Agripino.

 

"O DEM teve a chave do cofre nos últimos 14 anos e agora dizem que não tem nada a ver com a crise. (..) Nesses 14 anos de atos secretos, Sarney foi presidente por 4 anos. E o resto do tempo é uma indagação. O DEM também tem que explicar isso", explicou Mercadante em seu twitter.

 

 

O líder do DEM lembrou que a bancada do PT votou, em 2003, a favor da eleição de José Sarney (PMDB-AP) para a presidência, assim como em Renan Calheiros (PMDB-AL) e Garibaldi Alves Filho (PMDB-RN). "Os três senadores mantiveram Agaciel Maia (ex-diretor-geral do Senado) no cargo. Quem mantém ou demite um diretor é o presidente do Senado", destacou José Agripino.

  

Agaciel

Maia foi demitido por Sarney após a imprensa publicar denúncias de que, ao longo de 14 anos à frente da diretoria-geral da Casa, teria praticado uma série de irregularidades como, por exemplo, a edição de atos secretos para beneficiar servidores e parentes de parlamentares, inclusivo do atual presidente do Senado.

 

(Andréia Sadi, do estadao.com.br)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.