DEM cogita nova convocação de Dilma na CPI sobre dossiê FHC

Nova denúncia diz que braço direito da ministra montou documento com gastos do ex-presidente e sua mulher

Marcelo de Moraes, de O Estado de S. Paulo,

28 de março de 2008 | 11h23

O presidente do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), disse nesta sexta-feira, 28, que o partido está esperando uma explicação da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, sobre as denúncias publicadas no jornal Folha de S. Paulo, de que a sua principal assessora teria montado o dossiê com os gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e sua mulher, Ruth Cardoso.   Veja também:   Dilma admite 'banco de dados' sobre FHC e nega dossiê Briga entre FHC e Lula antecipa debate sobre sucessão IMAGENS: Os momentos de 'amor e ódio' de FHC e Lula  ENQUETE: A CPI dos Cartões deve quebrar sigilo de Lula e FHC?  Entenda a crise dos cartões corporativos   FHC cobra dados de cartão de Lula, que reage e diz que fará sucessor Em sessão marcada por bate-boca, CPI rejeita convocação de Dilma   Segundo Maia, se a ministra não apresentar argumentos convincentes ela poderá ser convocada novamente para prestar esclarecimentos na CPI dos Cartões Corporativos. Para o presidente do DEM o que houve no Palácio do Planalto foi a produção de um crime, com o vazamento dos dados sigilosos do ex-presidente Fernando Henrique e de seus principais assessores. Na avaliação de Rodrigo Maia, a situação de Dilma Rousseff no governo fica insustentável, caso ela não apresente uma explicação satisfatória.   Nesta sexta-feira, Dilma Rousseff disse que o governo montou um banco de dados com informações sobre despesas com cartões corporativos para atender a possíveis pedidos legais. Em rápida entrevista, ao deixar o hotel em que estava hospedada, em Recife (PE), Dilma disse que essa coleta de informações não teve característica de investigar o governo de FHC. "Nós não investigamos o governo passado. Reiteramos que não foi feito dossiê. Não é possível, eu tenho certeza", afirmou.      

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.