Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

DEM acusa petistas de fazer caixa 2 na Petrobras

O DEM estuda pedir abertura de comissão parlamentar de inquérito para investigar suposto superfaturamento na refinaria Abreu e Lima, obra financiada pela Petrobrás. "A Petrobrás tem de ter sua caixa-preta aberta para que a sociedade entenda o que de fato tem ali: se há uma empresa de petróleo a favor do País ou a favor dos sindicalistas do PT", afirmou o presidente do partido, deputado Rodrigo Maia (RJ)."O que preocupa o partido é o superfaturamento", observou o líder do DEM na Câmara, Ronaldo Caiado (GO). "Há sinais mostrando que é na Petrobrás o caixa 2, a grande caixa-preta, onde o governo faz os donativos para campanhas eleitorais." A Operação Castelo de Areia apontou superfaturamento nas obras de terraplenagem da refinaria, com suposto prejuízo de R$ 72 milhões, entre março e abril de 2008.Segundo Caiado, o partido vai reunir a bancada na quinta-feira para decidir qual o melhor caminho para fazer a investigação. Ele considera difícil a abertura da CPI da Petrobrás na Câmara, onde a base do governo é muito forte. Acha mais viável convencer o Senado a pedir a abertura da comissão. "No Senado é mais fácil", ressaltou.Caiado disse que o DEM cumpriu a lei identificando doações de campanha - inclusive da Camargo Corrêa, que integra o consórcio que executa as obras da refinaria . "No entanto, o PT se beneficia do delivery, a pronta entrega, pelo caixa 2, e ninguém é punido", argumentou. "Como imaginar que uma das maiores construtoras do País e do mundo não deu dinheiro para candidaturas do PT no governo do PT?"Rodrigo Maia criticou ainda o "inchaço" na estrutura da Petrobrás. Segundo ele, a empresa deveria ter sido investigada já em 2005/2006. Isso não ocorreu, disse, porque "no escândalo do mensalão se enfrentou uma barreira muito grande do governo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.