JF Diorio/AE
JF Diorio/AE

DEM, SD e PSDB confirmam que só indicarão membros para 'chapa avulsa' da Comissão do impeachment

Nova chapa está sendo articulada por deputados da ala do PMDB insatisfeitos com o perfil "moderado" das nomeações do líder do partido e provocou o adiamento da eleição do colegiados para esta terça

Igor Gadelha, Daiene Cardoso e Daniel Carvalho, O Estado de S.Paulo

07 de dezembro de 2015 | 17h34

BRASÍLIA - Líderes do DEM, PSDB e Solidariedade na Câmara confirmaram nesta segunda-feira que só indicarão membros para a chapa "avulsa" da comissão especial do impeachment da presidente Dilma Rousseff articulada por deputados da ala do PMDB insatisfeita com o perfil "moderado" das nomeações do líder do partido, Leonardo Piccian (RJ). A novidade provocou o adiamento da eleição do colegiados para esta terça-feira.

O presidente nacional do Solidariedade, deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho da Força, explicou que DEM, SD, PSDB, PPS, PSC, PSB e PHS devem fazer parte da chapa paralela articulada pela ala descontente do PMDB. Segundo ele, DEM, PSDB, PPS e SD devem só indicarão membros para a chapa avulsa. Já outros partidos poderão indicar membros para as duas chapas.

Os articuladores estão em busca de novos partidos, para completar 33 nomes, número mínimo de candidatos exigido para que uma chapa seja considerada válida. Os oito partidos já anunciados só têm direito a indicar 26 deputados. "Se uma das chapas ganhar, aí tem que te uma eleição suplementar para complementar o resto dos membros que estão faltando", explicou Paulinho. Segundo o Regimento Interno, a comissão deve ser formada por 65 deputados. 

"Chapa branca não dá", comentou o líder do DEM, Mendonça Filho (PE), ao Broadcast Político, confirmando que o DEM só deverá indicar membros para a chapa avulsa. O líder do PSDB, Carlos Sampaio (SP), também confirmou à reportagem que seu partido só indicará membros ara a chapa paralela. 

Comitê Nacional do Impeachment. Paulinho ressaltou ainda que o grupo pró-impeachment criará o Comitê Nacional do Impeachment. O grupo será formado por deputados, entidades e membros da sociedade civil. Uma das ações, ressaltou, será colocar carros de som em frente à residência de deputados que são contra o afastamento, para pressioná-los a apoiar o impeachment. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.