DANIEL TEIXEIRA|ESTADAO
DANIEL TEIXEIRA|ESTADAO

DEM, PSDB e PPS pedem renúncia de Maranhão em sessão com presença do presidente interino

'Levante-se dessa cadeira. A Câmara dos Deputados não merece', disse o líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM)

Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

17 de maio de 2016 | 19h55

Brasília - Em sua primeira vez presidindo a sessão plenária desde que assumiu o comando da Câmara dos Deputados, o presidente interino da Casa, Waldir Maranhão (PP-MA), foi alvo de protestos de parlamentares na noite desta terça-feira, 17. Em discursos direcionados ao parlamentar maranhense, deputados do DEM, PSDB e PPS pediram a renúncia de Maranhão do comando interino da Câmara.

Em discurso na tribuna do plenário, o líder do DEM, deputado Pauderney Avelino (AM), pediu a renúncia do deputado maranhense da presidência interina da Casa e o acusou de ser um "instrumento" de Eduardo Cunha (PMDB-RJ). O peemedebista está afastado da presidência da Câmara e do mandato de deputado desde o início de maio, por ordem do Supremo Tribunal Federal (STF).

"Senhor Waldir Mranhão, Vossa Excelência pode sair desta cadeira fazendo um bem para o Brasil. (...) Levante-se dessa cadeira. A Câmara dos Deputados não merece", disse em discurso na tribuna. Olhando em direção ao presidente interino, Avelino disse que o deputado maranhense "atentou" contra o voto de 367 deputados ao anular a sessão em que a Câmara aprovou o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Em sua fala, Avelino também citou que Maranhão recebeu ilegalmente salários de professor da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), mesmo após assumir o mandato de deputado. O caso foi revelado com exclusividade pelo jornal O Estado de S. Paulo. "O senhor terá de responder no Conselho de Ética pelo ato da segunda-feira passada (que anulou a sessão do impeachment)", afirmou o líder do DEM.

Apesar da expectativa, o líder do DEM desistiu de apresentar durante seu discurso questão de ordem pedindo a declaração da vacância da presidência da Câmara, em razão do afastamento de Cunha. Ele disse que não estava se sentindo confortável em fazer o questionamento na presença de Maranhão. "Ele vai sentar em cima. Vou apresentar quando ele deixar o plenário", afirmou Pauderney Avelino.

O líder do PPS, deputado Rubens Bueno (PR), também subiu à tribuna para pedir a renúncia de Waldir Maranhão do cargo de primeiro vice-presidente da Câmara e, consequentemente, do comando interino da Casa. "Vossa Excelência não tem condições de presidir esta Casa", afirmou. "Pedimos então a sua renúncia, a sua saída, porque queremos afastar Eduardo Cunha de vez", acrescentou Bueno.

Waldir Maranhão também foi alvo de questionamentos de parlamentares do PSDB. Os deputados Daniel Coelho (PE) e Vanderlei Macris (SP) indagaram Maranhão quem tinha produzido o ato assinado por ele na manhã da segunda-feira passada, 9 - e revogado no mesmo dia - em que anulou a sessão da Câmara que aprovou o impeachment de Dilma. "Quem preparou o despacho?", questionou Macris.

Maranhão não esboçou reação aos questionamentos feitos pelos parlamentares que se opõem a ele e respeitou o tempo de falar de cada um deles. Neste momento, a sessão está esvaziada em comparação às sessões de outras terças-feiras. Mais cedo, quando estava se dirigindo do gabinete da presidência para o plenário, o presidente interino reafirmou que não pretende renunciar ao comando da Casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.