Delúbio se entrega e também afirma ser 'preso político'

O ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares entregou-se à Polícia Federal por volta das 11h25 de ontem, em Brasília. Mas o fez de forma reservada, na sede da PF, que fica a oito quilômetros do prédio da superintendência do órgão, onde era aguardado. O petista disse que foi submetido a um "julgamento de exceção".

Agência Estado

17 de novembro de 2013 | 07h45

O próprio Delúbio anunciou pelo microblog Twitter que estava se entregando, recorrendo ao brado e expressões utilizadas por outros condenados petistas: "Apresentando (sic) às autoridades em Brasília para o cumprimento da pena que me foi imposta em julgamento de exceção. Viva o PT! Viva o Brasil!"

Delúbio foi condenado a 8 anos e 11 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal pelos crimes de quadrilha e corrupção ativa. Ele começará a cumprir a pena em regime semiaberto, porque pediu a revisão da condenação por formação de quadrilha. Se a revisão for aceita pelo STF, a pena seria reduzida para 6 anos e 8 meses.

A exemplo do que afirmaram na véspera o ex-presidente do PT José Genoino e o ex-ministro da Casa Civil José Dirceu, Delúbio também se considera um preso político, conforme o advogado criminalista Arnaldo Malheiros Filho. Ele disse que o ex-tesoureiro do PT apresentou-se ontem à Polícia Federal, "sem sequer ter visto o mandado de prisão". As informações são do jornal O Estado de S. Paulo. (João Domingos/colaborou Fausto Macedo)

Tudo o que sabemos sobre:
MensalãoDelúbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.