Delúbio nega uso de caixa 2 em campanha de Lula

Em quase uma hora de depoimento à CPI dos Bingos, o ex-tesoureiro do PT, Delúbio Soares, negou a existência de Caixa 2 na campanha do presidente Luiz Inácio Lula da Silva de 2002 e disse que nunca soube de recursos que, segundo denúncias, teriam sido repassados da Prefeitura de Santo André para o PT Nacional. "Eu nunca tive participação na prefeitura de Santo André. Não sei nem onde fica a Câmara dos Vereadores", afirmou.Em relação a recursos que teriam sido repassados da Prefeitura de Ribeirão Preto para a campanha de Lula, por meio da empresa Leão Leão, Delúbio disse desconhecer o esquema. "Eu nunca recebi dinheiro do senhor Ralph Barquete", afirmou ao ser indagado pelo relator da CPI, Garibaldi Alves, sobre o ex-assessor, já morto, do então prefeito Antonio Palocci.Sobre as denúncias de doação de dinheiro de Cuba para o PT, Delúbio disse que tomou conhecimento pela imprensa. Ele disse que não conhece outro ex-assessor de Palocci, Rogério Buratti. "Nunca falei com ele, nunca o vi". Ele afirmou desconhecer também o plano do PT de arrecadar R$ 1 bilhão, conforme esquema revelado pelo ex-secretário geral do partido, Silvio Pereira, em recente entrevista ao Globo. Delúbio confirmou que conhecia o assessor parlamentar do ex-ministro José Dirceu, Waldomiro Diniz, mas que não teve nenhuma relação com ele em 2002. Ele reafirmou a versão de que recorreu a empréstimo bancário para pagar as dívidas contraídas pelos diretórios do PT e de partidos aliados, durante as eleições de 2002. Sobre a sua relação com o presidente do Sebrae, Paulo Okamotto, Delúbio disse que conviveram na época da campanha, porque Okamotto era o responsável pela administração do Comitê Geral em São Paulo. "Ele (Okamotto) não tinha relação financeira na campanha". disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.