Delúbio, Dirceu e Genoino foram realocados, diz Suplicy

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) visitou na tarde desta segunda-feira, 18, o presídio da Papuda, no Distrito Federal, onde estão reclusos condenados no processo do mensalão, a Ação Penal número 470. Suplicy confirmou que José Genoino, José Dirceu e Delúbio Soares já foram deslocados para o Centro de Integração e Reeducação (CIR), que fica dentro do Complexo Penitenciário da Papuda. Havia queixa de que eles estavam sendo submetidos a regime fechado de prisão, embora o Supremo Tribunal Federal (STF) tivesse determinado o regime semiaberto.

DÉBORA ÁLVARES E MARIÂNGELA GALLUCCI, Agência Estado

18 de novembro de 2013 | 21h21

A Suplicy, esses três presos relataram estarem sendo bem tratados pela polícia e também por outros detidos, que compartilharam lençóis e alimentos com eles. A esposa de Genoino, Rioco Kayano, e os dois filhos, entraram com Suplicy para a visita.

Delúbio, por sua vez, informou ao senador que sua esposa, Monica Valente, está em Brasília e deve visitá-lo na quarta-feira, 20. Dirceu aguarda a visita do filho, deputado federal Zeca Dirceu (PT-PR). No domingo, 17, a filha de Genoino, Miruna, teria telefonado para Suplicy, pedindo que o senador fosse ao presídio para ver como o pai estava sendo tratado, pois estava preocupada com a saúde dele.

No CIR, Delúbio, Genoino e Dirceu ficarão juntos, em um mesmo ambiente, com acesso a pequena área para circular, informou Suplicy. Eles estão vestindo roupas pessoais.

Restrição

O Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios (TJDFT) informou na noite desta segunda-feira, 18, que também foram transferidos para o CIR os presos Jacinto Lamas e Romeu Queiroz. "Os sentenciados José Dirceu, Delúbio Soares, José Genoino, Jacinto Lamas e Romeu Queiroz, condenados ao regime semiaberto, passam a cumprir pena no CIR, Centro de Internamento e Reeducação, localizado na Papuda, sem benefícios externos até a homologação dos pedidos dos referidos benefícios, como o trabalho externo", cita nota do TJDFT.

Kátia Rabello e Simone Vasconcelos foram para o 19º Batalhão da Polícia Militar do Distrito Federal. "Os sentenciados em regime fechado Marcos Valerio Fernandes de Souza, Cristiano de Mello Paz, José Roberto Salgado e Ramon Hollerbach Cardoso, condenados em regime fechado, passam a cumprir pena na PDF 1, localizada na Papuda", cita a nota do TJDFT.

Características

O TJDFT informa que o CIR é um estabelecimento prisional dotado de oficinas de trabalho, tais como marcenaria, lanternagem e funilaria de autos, serigrafia, panificação, costura de bolas, bandeiras, abrigando ainda os internos com trabalho agrícola, possuindo, por isso mesmo, características assemelhadas às de colônia agrícola e industrial. "O CIR ainda possui ala especial para a custódia de ex-policiais e detentos com direito à prisão especial, nos termos da lei. Também possui ala Especial, com sete celas destinadas a extraditandos, cautelarmente custodiados e à disposição do STF", cita o Tribunal.

Os advogados de Delúbio, Dirceu e Genoino devem entrar nesta terça-feira, 19, com pedido para que eles sejam transferidos do CIR, no complexo da Papuda, para o Centro de Progressão Penitenciária (CPP), no Setor de Indústria e Abastecimento (SIA), também no Distrito Federal. O CPP é especificamente destinado ao recebimento de sentenciados em regime semiaberto de cumprimento de pena e que já tenham efetivamente implementado os benefícios legais de trabalho externo e de saídas temporárias, com capacidade atual para cerca de 1,1 mil presos, com trabalho externo em efetivo exercício, informa o TJDFT.

Dirceu, Delúbio e Genoino estão entre as 12 pessoas que tiveram a prisão determinada no final da última semana pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Joaquim Barbosa, por envolvimento com o mensalão. Nos próximos dias, o presidente do Supremo deve determinar a prisão de outros sete condenados. Até agora, ele ordenou a prisão de 12 réus, dos quais 11 estão recolhidos em estabelecimentos prisionais em Brasília e um está foragido.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoprisãosemiabertosuplicy

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.