Delfim nega que tenha sido convidado a assumir ministério

O ex-deputado Delfim Netto negou nesta segunda-feira ter sido convidado para assumir um ministério no governo Lula. Após participar da reunião do Conselho Superior de Economia da Fiesp, Delfim disse: "Isso é uma questão absurda. Você está querendo ir para a lua? Eu não tenho foguete". Em sua avaliação, o governo saberá administrar o desejo do PT de aumentar o número de ministérios sob sua gestão, inclusive avançando sobre pastas que estão nas mãos do PMDB. "O fato de as pessoas desejarem mais não significa necessariamente que terão mais", ironizou.Para Delfim, as mais de 700 emendas que os deputados acrescentaram às medidas do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) devem aperfeiçoar o programa. "O fato de haver emendas é saudável. Há emendas boas, há emendas más, mas nada sai do Congresso a não ser melhor do que entrou. Normalmente o Congresso aperfeiçoa os programas e eu espero que isso aconteça também com o PAC", afirmou.O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) - anunciado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva em 22 de janeiro deste ano - prevê investimentos de R$ 503,9 bilhões até 2010 em infra-estrutura: estradas, portos, aeroportos, energia, habitação e saneamento. O objetivo é destravar a economia e garantir a meta de crescimento de 5%. Ele negou também haver animosidades entre o deputado Michel Temer e o ex-ministro do Supremo Tribunal Federal Nelson Jobim, que disputam a presidência nacional de seu partido, o PMDB. "Não há problema nenhum no PMDB", limitou-se a dizer.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.