Delfim diz que Lula sairá como ´estadista´ do 2.º mandato

O deputado federal Antonio Delfim Netto (PMDB) disse, nesta terça-feira, em entrevista concedida antes de proferir palestra na ExpoManagement 2006, que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve sair do segundo mandato como um "estadista" e elogiou a atuação do ministro da Fazenda, Guido Mantega."Num segundo mandato, o sujeito só tem a opção de sair como um estadista ou apenas registrar seu nome na história. Eu confio na inteligência do Lula e que ele vai fazer o primeiro. Aliás, não só torço, com acho que a inteligência dele (do presidente da República) vai levá-lo a isso", disse Delfim.O ex-ministro da Fazenda evitou discutir a possível permanência de Mantega na Pasta, com quem teve uma reunião fechada recentemente. "O Mantega é um excelente ministro. Não entendo porque vocês fazem essa futrica o tempo inteiro. Vão procurar outra encrenca", disse, dirigindo-se aos jornalistas que o entrevistavam.GovernabilidadePara Delfim, a governabilidade não deve ser um problema no segundo mandato do presidente Lula. O deputado acredita, apesar dos discursos que apontam em contrário, que a oposição está disposta a compor com o governo em torno de um projeto que ajude a desenvolver o Brasil."Essa idéia de que não há governabilidade é tudo conversa mole pra boi dormir. As pessoas que estão lá (no Congresso Nacional) são todas mobilizáveis para apoiar um programa de boa qualidade que ajude o Brasil a crescer", disse Delfim.O deputado não quis antecipar qual deve ser o grau de participação do PMDB no próximo governo, mas revelou seu desejo de que o partido atue de forma integral no segundo mandato de Lula.Para o deputado, também é fundamental que os presidentes do Senado e da Câmara sejam escolhidos, consensualmente, pelo partido com a maior bancada, no caso o seu próprio. "A tradição do Congresso é importante. Quem tiver a maioria, na minha opinião, deve indicar os dois presidentes", disse, ressaltando que nas vezes em que essa regra não foi seguida, o Congresso enfrentou problemas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.