Delfim critica FHC por não fazer a reforma tributária

O deputado Delfim Neto (PPB-SP) disse hoje que a maior dificuldade da gestão Fernando Henrique Cardoso, às vésperas do último ano de mandato, é a falta de empenho na realização de uma reforma tributária. "Uma reforma tributária correta seria o único mecanismo que poderia acelerar o crescimento do Brasil", disse. Ele criticou também a dependência externa. "É uma armadilha que foi construída ao longo de seis anos de governo Fernando Henrique e essa enorme dependência externa só agora está sendo alterada", afirmou. Delfim lembra, no entanto, que a política econômica também tem pontos positivos. "Eles também fizeram coisas interessantes, como a estabilidade. É um dos programas mais brilhantes de estabilização já construídos", elogiou."Mas quando se olha à distância, o real é uma luz no meio da escuridão. Escuridão que o governo produziu", disse o deputado, em tom irônico, sem explicar se estava se referindo ao racionamento de energia imposto pelo governo federal.Para Delfim, apesar das dificuldades inerentes ao final do mandato, a administração Fernando Henrique Cardoso deve levar o País a um crescimento econômico em 2002, comparado com este ano. As crises de câmbio, da energia, da Argentina e a recessão mundial são fatores que pesam no processo de crescimento, admite. "Acho que é muito pouco provável melhorar a taxa de crescimento, mas teremos condição de crescer um pouco mais do que este ano", afirmou.Na avaliação de Delfim, a taxa de crescimento de 2001 ficará em torno de 1,7%. "Em 2002 não é um despropósito falar em uma taxa de crescimento de 2% a 2,5%. Se tudo der certo", disse. Na condição de quem participou por seis vezes de fim de governo, Delfim afirmou que o último ano de um governo é sempre a mesma coisa. "Ele vai ter dificuldade de arranjar alguém para servir um cafezinho", prevê Delfim referindo-se ao presidente Fernando Henrique Cardoso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.