DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Delegado que atendeu ocorrência é afastado do caso sobre caravana de Lula

Declarações sobre o incidente não teriam sido bem recebidas pela cúpula da Secretaria de Segurança do Paraná; oficialmente, órgão nega afastamento

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

28 Março 2018 | 17h22

O delegado da Polícia Civil do Paraná Wikinson Fabiano Oliveira de Arruda não participará mais das investigações sobre os tiros disparados contra ônibus da caravana do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com apuração do Estado, suas declarações logo após o incidente não foram bem recebidas pela cúpula da Secretaria de Segurança do Paraná (Sesp). A apuração do caso será comandada pelo delegado Helder Andrade Lauria.

++ Temer condena ataque à caravana e diz que clima de 'nós contra eles' não é bom para o País

Na noite de ontem, Arruda confirmou ao Estado que um dos ônibus da comitiva foi alvejado por ao menos um tiro. "Pelo menos uma das marcas é de arma de fogo", afirmou.  "Se as outras marcas são, apenas a perícia irá dizer".

Oficialmente, o Departamento da Polícia Civil do Paraná afirma que Arruda não foi afastado do caso. Segundo o órgão, o inquérito é conduzido desde seu início por Helder Lauria, que é o delegado titular da delegacia de Laranjeiras do Sul. A Polícia Civil afirma que Arruda é delegado adjunto, acompanhou Lauria no atendimento ao local da ocorrência, e continuará dando apoio à investigação.

++ Analistas veem tiros contra caravana de Lula como ameaça à democracia

Duas equipes do Centro de Operações Policiais Especiais (Cope), grupo de elite da Polícia Civil do Estado, foram enviadas pela Secretaria de Segurança para reforçar as investigações. De acordo com a Sesp, o laudo pericial do ônibus deve ficar pronto dentro dos próximos dias.

++ Presidenciáveis condenam ataques à caravana de Lula

Os disparos foram relatados por integrantes da caravana do petista. Um dos veículos apresentava marcas de três tiros. Um disparo perfurou a lataria e outros dois atingiram os vidros. O ônibus transportava jornalistas que fazem a comunicação da caravana, de blogs e sites que acompanham a comitiva, e repórteres estrangeiros. O outro ônibus, que foi atingido por um tiro, levava convidados da caravana. O ônibus que estava com o ex-presidente Lula não foi atingido. Ninguém ficou ferido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.