Delegado que algemou Jader vai processar o ex-senador

O delegado federal Luiz Fernando Ayres Machado, que prendeu o ex-presidente do Senado, Jader Barbalho, vai deixar a presidência dos dois inquéritos contra o ex-senador, para processá-lo por danos morais.Ayres Machado vai acionar Jader por supostas declarações de que o delegado fora nomeado pelo ex-senador Antônio Carlos Magalhães e o senador Romeu Tuma (PFL-SP). O delegado, que não quer falar sobre o assunto, foi quem colocou algemas no ex-presidente do Senado.Delegado interrogou JaderEm menos de um ano, os destinos de Jader e Ayres Machado se cruzaram várias vezes. O delegado foi o primeiro na história da PF a interrogar um presidente do Senado. Este fato aconteceu em julho do ano passado, quando Jader ? ainda senador ? foi depor sobre a emissão de Títulos da Dívida Agrária (TDAs) da Fazenda Paraíso, desapropriada irregularmente quando ele era ministro da Reforma Agrária.Depois, o policial também foi indicado para presidir o inquérito sobre os desvios no Banco do Estado do Pará (Banpará), onde Jader é também acusado de envolvimento. Por último, coube a Ayres Machado algemar o ex-presidente do Senado, durante sua prisão, no final da semana passada.Norma internacionalAyres Machado tem afirmado a amigos da PF que apenas cumpriu uma norma internacional e ratificada pelo Departamento de Aviação Civil (DAC) e Comando da Aeronáutica, de que todo preso, quando transportado por via aérea, tem de ser algemado.As criticas ao ato, inclusive do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Melo, não foram respondidas pelo delegado. ?Ele apenas comentou que, em preto e pobre, todos colocam algemas, mas que em branco e rico, isso é muito difícil?, disse um delegado da PF, com quem Ayres conversou nesta terça-feira.Danos moraisA decisão de deixar os inquéritos contra Jader foi tomada pelo próprio delegado, que contratou o advogado Aroldo Dotti para entrar com a ação judicial contra o ex-senador, que teria declarado em sua emissora de televisão em Belém, a RBA, que o policial teria sido noemado por ACM e Tuma. O delegado vai requisitar cópias das reportagens e iniciar o processo, que poderá estabelecer o pagamento de indenização por danos morais.Com 34 anos, Ayres Machado é um dos delegados mais requisitados na Delegacia de Repressão ao Crime Organizado e Inquéritos Especiais (Decoie), pelo fato de ser pós-graduado em Direito Financeiro.Por suas mãos já passaram inquéritos de PC Farias ? ex-tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor ? desvios de verbas do Orçamento, onde chegou a indiciar o ex-deputado João Alves, acusado de líder das fraudes na Comissão de Orçamento da Câmara, além de irregularidades em bingos, que causou a demissão do ex-ministro dos Esportes, Rafael Greca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.