Delegado indicia 15 pela chacina dos sem-terra em Minas

O delegado Wagner Pinto entregou hoje à juíza da Comarca de Jequitinhonha, Célia Maria Corrêa, o relatório final do inquérito sobre a chacina de cinco integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), em Felisburgo (MG), no dia 20 de novembro. Foram indiciadas 15 pessoas, sendo que a maioria deverá responder por homicídio qualificado e tentativa de homicídio durante a ação no acampamento Terra Prometida. Além das vítimas fatais, outras 13 pessoas ficaram feridas durante a ação de um grupo armado no local. De acordo com o delegado Elcides Guimarães, chefe da Divisão de Crimes contra a Vida, no inquérito, Wagner Pinto solicitou a prisão preventiva dos indiciados.Cinco pessoas já estão detidas. Entre elas, Adriano Chafik Luedy, de 37 anos, dono da Fazenda Nova Alegria, onde ocorreram os assassinatos. Ele e o vaqueiro Washington Agostinho da Silva, de 31 anos, terão a prisão temporária convertida em preventiva.Horas depois dos crimes, foram presos em flagrante Milton Francisco de Souza, Admilson Rodrigues Lima e Francisco de Assis Rodrigues. A polícia está à procura de outras pessoas acusadas de envolvimento. Inclusive um parente do fazendeiro, Carlixto Luedy Filho, apontado como responsável pela contratação dos supostos pistoleiros. A juíza disse que só irá analisar amanhã o inquérito - de cerca de 800 páginas -, que será então remetido ao Ministério Público Estadual (MPE).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.