Delegado é demitido após e-mail com 'golpe da pirâmide'

O Ministério da Justiça decidiu exonerar o delegado Luiz Carlos de Carvalho Cruz, diretor de Operações da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge), após receber informações de que ele teria enviado a dezenas de autoridades federais um e-mail propondo adesão ao chamado golpe da pirâmide. O gabinete do ministro José Eduardo Cardozo avalia agora a abertura de um processo disciplinar contra o policial, n.º 2 na secretaria.

AE, Agência Estado

07 de março de 2013 | 08h34

Na mensagem, que partiu de sua caixa pessoal às 15h09 de 26 de fevereiro, ele convida os colegas de distintivo a ganhar dinheiro "fácil" e "lícito" por meio do esquema, enquadrado nas delegacias de todo o País como estelionato. Tradicional na praça, o golpe da pirâmide consiste no recrutamento progressivo de pessoas para um programa de investimentos, iniciado por um pequeno grupo. O dinheiro aplicado pelos que chegam por último serve para remunerar os primeiros.

O sistema, porém, é insustentável, pois, em determinado momento, o número de participantes é tão grande que não há quem os compense. Na prática, só lucram os que entram no esquema originalmente e, em geral, bolam o golpe.

Com o título "Oportunidade imediata", o e-mail diz ser possível ganhar "bem mais de R$ 300 mil" com um investimento de apenas R$ 12. Em primeira pessoa e assinado pelo diretor, o texto diz que, para isso, basta convencer mais gente a fazer o mesmo.

Depósito. "Meus amigos, recebi o e-mail abaixo e resolvi pagar para ver. Fiz uma análise do sistema. É a famosa pirâmide, mas com a diferença de que o depósito cai direto na sua conta corrente. E, para dar certo, você só precisa convencer mais pessoas a entrar e investir os doze reais", teria escrito o delegado,

Procurado pela reportagem na semana passada, Cruz negou ter enviado a mensagem e alegou ser "vítima" do esquema. O Ministério da Justiça negou que a exoneração tenha relação com o e-mail. No entanto, fontes da pasta informaram que, após ser informado do fato, Cardozo considerou a presença do delegado insustentável. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
demissãodelegadopirâmideSesge

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.