Delegado de Ribeirão quer ajuda da PF para ouvir Palocci

O delegado seccional de Ribeirão Preto, Benedito Antônio Valencise, tentará marcar nesta sexta-feira, com o auxílio da Polícia Federal (PF) de Brasília, o depoimento do ex-ministro da Fazenda, Antônio Palocci Filho para a próxima semana.Valencise está priorizando o depoimento de Palocci para concluir, até meados de abril, o inquérito que apura superfaturamento na varrição de rua (contrato do lixo), peculato, corrupção de agentes públicos, falsidade ideológica e formação de quadrilha. O delegado quer ouvi-lo em Ribeirão, onde Palocci foi prefeito entre 2001 e 2002, mas não descarta até seguir a Brasília para dar seqüência ao seu trabalho.Palocci teria chefiado todo o esquema de corrupção no contrato do lixo de Ribeirão Preto, segundo Valencise. O delegado disse várias vezes que cinco crimes estão comprovados e que deverá indiciar o ex-ministro, além de outros investigados, como o sucessor de Palocci na prefeitura, Gilberto Maggioni (PT), e outros assessores diretos, incluindo também ex-diretores do Grupo Leão Leão. AçõesPalocci e Maggioni teriam recebido, entre 2001 e 2004, propina mensal de R$ 50 mil da Leão Leão, segundo o advogado Rogério Tadeu Buratti afirmou em depoimentos à Polícia Civil. Palocci (que teria destinado a verba ao PT) e Maggioni negaram ter recebido a propina.Os promotores do Grupo de Atuação Especial Regional para Prevenção e Repressão ao Crime Organizado (Gaerco) acompanham as investigações da Polícia Civil e também movem ações civis públicas contra Palocci, referentes a outros casos envolvendo o ex-ministro quando este ainda estava na prefeitura de Ribeirão Preto. Como Palocci perdeu o foro privilegiado de ministro e agora é um cidadão comum, as investigações deverão caminhar com mais rapidez. E indiciamentos e denúncias criminais poderão ser feitos por delegados e promotores, respectivamente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.