Delegado da PF fala sobre tortura no PR

O delegado da Polícia Federal Jessé Ferry disse aos parlamentares da Comissão de Direitos Humanos da Câmara dos Deputados que vem sendo "hostilizado" pelas polícias Civil e Militar do Paraná, desde que prendeu em flagrante dois policiais militares por crime de tortura, no dia 24 de março. Os policiais José Carlos Martins Oliveira e Vilson Martins foram presos sob acusação de torturar os sacoleiros Carlos Odair Maia e Marcos da Silva Cesário.Além dos depoimentos das vítimas, o delegado Ferry disse que solicitou a prisão em flagrante, depois de constatar em laudo do Instituto de Medicina Legal que os rapazes apresentavam ferimentos. Durante depoimento na Câmara, o delegado da PF disse não concordar com uma nota oficial da Polícia Militar do Paraná, condenando a prisão dos dois policiais militares. Em uma "nota à imprensa", o comandante do 14.º Batalhão da Polícia Militar, tenente-coronel Renato Ribeiro Peres, atribuiu a prisão dos dois PMs "caprichos pessoais" e "interesses de terceiros". A nota foi divulgada depois que os policiais foram libertados pela Justiça. Ferry recebeu solidariedade de vários parlamentares. Para o deputado Nilmário Miranda (PT-MG), a nota que o 14.º BPM divulgou "incentiva a tortura". Miranda denunciou que as famílias dos dois sacoleiros têm recebido ameaças de morte, caso os dois rapazes não retirem as denúncias de tortura.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.