AP Photo/Nelson Antoine
AP Photo/Nelson Antoine

Delegado da PF confirma que não há mais tempo para Lula se entregar

Igor Romário de Paula afirmou que a expectativa é de que o ex-presidente se entregue à PF em São Paulo

O Estado de S.Paulo

06 Abril 2018 | 16h08

O delegado Igor Romário de Paula, da Polícia Federal, confirmou que não há mais tempo hábil para que o ex-presidente Lula se entregue em Curitiba. Ele disse que a expectativa é de que o líder petista se entregue à PF em São Paulo até as 17h e que os policiais não irão agir antes desse horário, mas que a intenção é que a prisão seja cumprida de qualquer forma. Ele disse que, pela natureza de Lula, não deve haver resistência e não deverá ser necessário o uso de algemas, mesmo que o prazo dado pelo juiz Sérgio Moro seja descumprido.

+++Entenda o que acontece se Lula não se entregar à PF 

Faltando menos de 1h para o fim do prazo estipulado pelo juiz Sergio Moro, o ex-presidente Lula permanece no edifício sede do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo e se prepara para fazer um pronunciamento para os militantes e líderes do partido e de movimentos sociais reunidos no local. 

+++Prisão do Lula: tudo o que você precisa saber

Lula chegou ao sindicato no início da noite desta quinta-feira, 5, pouco depois de ser informado da ordem de prisão expedida por Moro no processo tríplex, pelo qual foi condenado a 12 anos de reclusão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O juiz decretou a prisão do ex-presidente após o Supremo Tribunal Federal (STF) negar, no início da madrugada de quinta-feira, por 6 votos a 5, o pedido de habeas corpus impetrado pela defesa de Lula.

Aliados defendem que o ex-presidente não se entregue. Caso resista, juristas ouvidos pelo Estado afirmam que algemas poderão ser usadas no ato da prisão.

Prisão de Lula AO VIVO

Acompanhe aqui outras notícias sobre a prisão do ex-presidente minuto a minuto.

Confira a cobertura do 'Estadão' em tempo real sobre a prisão do ex-presidente

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.