Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Delcídio revela que CPI dos Bingos foi encerrada para acobertar Caixa 2 de campanha de Dilma em 2010

Ex-líder do governo no Senado afirmou que o então tesoureiro, José Filippi, orientava os empresários a fazerem contratos de serviços com as empresas do empresário Adir Assad

Eduardo Rodrigues, Beatriz Bulla, Gustavo Aguiar, Adriano Ceolin e Fábio Fabrini, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2016 | 15h03

Brasília – O senador Delcídio Amaral (PT-MS) detalhou em delação premiada, homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF) nesta segunda-feira, 14, que uma das maiores operações de “Caixa 2” da campanha eleitoral da presidente Dilma Rousseff em 2010 ocorreu por meio do empresário Adir Assad. O executivo foi condenado por lavagem de dinheiro e associação criminosa em obras da Petrobras em setembro do ano passado e cumpre prisão domiciliar.

De acordo com Delcídio, o então tesoureiro de campanha de Dilma e ex-secretário de Saúde da Prefeitura de São Paulo, José Filippi, orientava os empresários a fazerem contratos de serviços com as empresas de Assad, que repassava os recursos para o Partido dos Trabalhadores. “Esse expediente foi largamente utilizado”, completou o delator.

Segundo o senador petista, a CPI dos Bingos teve um encerramento prematuro e sem relatório final poque o governo teria percebido que as várias quebras de sigilo no esquema levariam à campanha eleitoral de Dilma, e por isso teria determinado o fim imediato dos trabalhos.

Para Delcídio, o objetivo da CPI era desestabilizar o ex-senador e atual governado de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), por seu envolvimento com o “bicheiro” Carlinhos Cachoeira. “A CPI dos Bingos foi fortemente e irresponsavelmente incentivada pelo ex-presidente Lula a despeito de todos os alertas que fiz a ele próprio”, concluiu o delator.

Delcídio deixou a prisão em 19 de fevereiro, após ter ficado quase três meses na cadeia acusado de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. O ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato STF, homologou a delação premiada do senador e abriu o sigilo dos autos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.