Delcídio formaliza renúncia à presidência de comissão do Senado

Senador, alvo de pedido de cassação após prisão na Lava Jato, está em licença médica desde que foi solto, há duas semanas; Gleisi deve assumir colegiado

Ricardo Brito, O Estado de S. Paulo

01 de março de 2016 | 17h02

Brasília - O senador Delcídio Amaral (PT-MS) formalizou na tarde desta terça-feira, 1.º, sua renúncia à presidência da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado. Conforme antecipou o Broadcast Político, Delcídio tomou a decisão para tentar sair do foco das suspeitas que o envolvem. A medida abre espaço para que a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) seja eleita na próxima semana para o comando do colegiado.

O pedido de exclusão de Delcídio da comissão, a segunda mais importante do Senado, foi lido em plenário pelo presidente em exercício da sessão, o senador José Medeiros (PPS-MT). "Considerando a necessidade de preparar meu retorno à base eleitoral que represento, concentrar-me na defesa junto ao Conselho de Ética e ao restabelecimento pleno da minha saúde, deixo a Presidência da Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal. Sendo o que se apresenta para o momento, renovo os meus protestos de elevada estima e consideração", disse Delcídio, no requerimento.

A cadeira de presidente da Comissão de Assuntos Econômicos estava vaga desde o fim de novembro, após Delcídio ter sido preso preventivamente sob a acusação de tentar obstruir as investigações da Operação Lava Jato. Ele foi solto há duas semanas, mas não reassumiu o comando do colegiado que, pela proporcionalidade das bancadas, é uma indicação do PT, o segundo maior partido na Casa.

Por enquanto, a comissão tem sido presidida pelo primeiro-vice-presidente, o peemedebista Raimundo Lira (PB).

Alvo de um pedido de cassação em razão da Lava Jato, Delcídio tem submergido para evitar a perda do mandato parlamentar. Ele, que não apareceu no Senado desde que foi solto, está em licença médica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.