Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Richard Carson/Divulgação
Richard Carson/Divulgação

Delcídio confessa propina de US$ 1 mi em Pasadena

Senador diz que, ao saber do montante de suborno movimentado pelo ex-diretor da Petrobrás Nestor Cerveró, ficou 'estupefato'

Fábio Fabrini, Beatriz Bulla e Gustavo Aguiar, O Estado de S.Paulo

15 de março de 2016 | 13h34

Brasília - Em depoimento de acordo de delação premiada, homologado nesta segunda-feira, 14, o senador Delcídio Amaral (PT-MS) confessou ter recebido US$ 1 milhão em propina para pagar dívidas de campanha. O dinheiro era fruto da compra, pela Petrobrás, da Refinaria de Pasadena, no Texas (EUA), e foi repassado pelo então diretor Internacional da companhia, Nestor Cerveró, atualmente preso pela Operação Lava Jato. Ao saber do montante de suborno movimentado pelo então dirigente da estatal, o petista se disse “estupefato”.

O petista relatou que, após ser derrotado na disputa pelo Governo do Mato Grosso do Sul, em 2006, recorreu a Cerveró e Renato Duque, então diretor de Serviços, hoje também preso na Lava Jato, para obter recursos de fornecedores da estatal. A campanha havia se encerrado com um rombo de R$ 5 milhões a R$ 6 milhões.

Ele explicou que, enquanto não recebia retorno dos dirigentes da companhia, recorreu ao ministro da Secretaria de Governo, Ricardo Bezoini, e o PT assumiu parte dos débitos. A ajuda para pagar outra parcela veio de Cerveró, que o avisou de que Fernando Baiano, operador de propinas na companhia, o procuraria para repassar US$ 1 milhão em espécie.

“O depoente soube, posteriormente, que a origem desses recursos teria advindo de propinas pagas a partir da compra da Refinaria de Pasadena, no valor global de US$ 15 milhões. O depoente sabia que Cerveró arrecadava dinheiro, a título de propina, para o PMDB do Senado”, diz trecho do depoimento de delação transcrito pela Procuradoria-Geral da República (PGR).

Os recursos, explicou, foram usados para quitar dívidas com fornecedores de campanha e não contabilizados.

“O depoente sabe que, sendo doação oficial de campanha ou não, o valor destinado seria oriundo de propina. Concorda que o pedido que realizou a Cerveró e a Duque foi errado. Reconhece esse erro”, diz transcrição do depoimento Delcídio. Ele contou não saber do montante de propina movimentado por Cerveró. “Quando obteve tal conhecimento, ficou estupefato”, diz o documento.

Para receber os recursos de Cerveró, Delcídio enviou um de seus amigos, Alberto Godinho. No depoimento, ele ressaltou, contudo, que o emissário não sabia da origem do dinheiro.

O petista também citou possível pagamento de propina na compra da Refinaria de Okinawa por US$ 72 milhões. “O depoente acredita que o mesmo esquema de pagamento de propinas, já investigado no Caso Lava lato, repetiu-se durante a compra de Okinawa. Os desenvolvedores do projeto de compra foram Cerveró e a equipe comandada por ele”, diz trecho do depoimento transcrito pela PGR.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.